Descongelando a geladeira

Foto meramente ilustrativa: avenida aleatória de Caicó/2014


Logo cedo fui acordada pelo barulho da chuva lá fora. natal, capital do sol, inundada da neblina carnavalesca.

Decidi: algo bom pode acontecer num domingo. Sai recolhendo forças para cozinhar enfim, um almoço decente. tentativa falha. o épico congelador estava tomado de gelo, e a carne, nem conseguia vê-la.

Odeio descongelar a geladeira. faz bagunça, tenho que tirar tudo de dentro e inunda a cozinha. Mas, fazer o que? Morrer de fome por preguiça não é algo legal pra se fazer num domingo.

Coloquei Pearl Jam no Spotify, inclusive, recomendo a comunidade: (https://open.spotify.com/track/1L94M3KIu7QluZe63g64rv)

Comecei os trabalhos. ventilador no 3, faca na mão e pés descalços. Mamãe me mandou mensagens no WhatsApp enquanto o processo acontecia. engraçado. estranho/perturbador.

Enquanto o gelo derretia e Alive ecoava percebi o quão confuso é, quando as coisas mudam. Adaptação é algo difícil. o corriqueiro fascina. Eu não queria me desfazer do gelo, mas lá estava ele, em estado líquido, escorrendo pelas minhas mãos.

Eu não queria me desfazer da minha família, dos vínculos, mas lá estavam boa parte deles: partindo. e ainda mais – por livre espontâneo preconceito.

Aceitar mudanças é difícil, não impossível. Amar as pessoas pelo que elas são é muito mais feliz do que amá-las pelo que você quer que elas sejam.

Eu mudei / as pessoas ao meu redor também. Mudei mesmo, a fase de gelo já não bem cabia tão bem. Derreti e tomei destinos escorregadiços. Isso é bom. A queda ajuda a prevenir traumas maiores.

Terminei o feito do dia: desliguei o spotify e fui dançar fitdance em frente do espelho. sábia decisão.

Mainha citou: eu nunca vou te julgar pelo que você é, pode deixar. estamos aqui pra ajudar. sempre. seja você com tropeços e saltos.

Sejam minha mãe, pelo menos parte dela, algum dia da sua vida.

20:40 / (https://open.spotify.com/s/76nvqWPFucUra1xCkN1tnD) voltei pro Spotify – por favor, replay nesta canção.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.