A fichinha e a varanda.

Uma conhecida me apresentou a teoria da “fichinha”; com How I Met Your Mother eu conheci a teoria da varanda; e acho que as duas juntas é a melhor forma de avaliação de um relacionamento. Explico:

A teoria da fichinha diz que a mulher nasce com uma ficha. É a ficha que ela vai usar para apostar naquele amor que é pra vida toda, aquele com quem planejamos o casamento dos sonhos e projetamos um futuro em conjunto. A gente só vem com uma ficha, porque as apostas só são feitas com tanta imprudência entrega uma única vez (depois a gente aprende!). Eu vejo muitos homens desperdiçando a fichinha de suas companheiras… casando sem certezas, ficando sem querer, enganando a si mesmos e a elas… Empatando, ocupando a moita.

A teoria da varanda consiste em você se imaginar com 60 e poucos anos, na varanda de uma casa de verão com as pessoas que você mais ama no mundo. Quem estaria na sua varanda? Desde que eu conheci a teoria eu comecei a pensar e de tempos em tempos eu reflito de novo sobre o assunto, pra ver se alguém já saiu da minha varanda ou se, quem sabe, chegou gente nova. É um exercício interessante que te faz pensar na verdade das relações.

Agora, vamos juntar as duas. Você está namorando há 10 anos e ele ainda não te pediu em casamento porque tem dúvidas? Você foi morar junto e se decepcionou um pouco com a vida a dois, mas acha que insistir é preciso? Você não se agrada com o passado dele mas resolve ignorar porque tem medo de ficar sozinha?

Pensa bem: Na sua varanda, ele está? Mais do que isso, você está feliz com ele lá? Ele está te acompanhando nas atividades, nas palavras cruzadas do jornal, na apreciação da vista ou do café da manhã, ou ele fica te incomodando, pedindo pra ir embora? Baseada nisso, agora me responde: vale mesmo a pena gastar tua fichinha?

Guarda essa fichinha, amiga, e deixa a varanda pra quem merece. ;)

Originally published at ahbendisdonc.wordpress.com on October 21, 2015.