uma hora o curativo vai perder a cola

As feridas que carregamos ao longo da vida são constantemente tampadas de forma rápida, vamos acumulando uma ferida em cima da outra porque dificilmente conseguimos lidar com elas e entender o motivo que nos faz mal.

Não conseguimos lidar com o que nos faz mal por falta de tempo, as vezes não dá pra dar atenção ao nosso interior. O exterior exige demais: faça tal coisa, estude aquilo, vá buscar aquela encomenda, leia determinado autor, dê algum conselho a uma pessoa querida e assim vai. No fim do dia as preocupações são tantas que simplesmente não dá tempo de pensar no que está acontecendo com você.

Deixa eu te dizer uma coisa: se você não se perguntar sobre os seus sentimentos ninguém vai perguntar, não de forma verdadeira, com aquela atenção que você merece, que qualquer ser humano merece.

“Eu odeio quando não consigo conter a minha solidão”

E as feridas vão se acumulando.

Aquele dia que seu chefe brigou com você, você perdeu o ônibus, chegou atrasado na faculdade, perdeu a prova e teve que usar o dinheiro que não tinha para pagar uma prova substituta. Porque você faz um curso que não gosta, porque te disseram que era preciso se formar para conseguir um bom emprego e você se pergunta todos os dias qual é a razão disso, se existem tantos formados que estão desempregados hoje em dia.

Aquela vez que você se apaixonou pelo moço que saiu com você uma vez só, vocês se beijaram no carro dele, se sentiu abusada, não quis continuar a ficar com ele naquele lugar escuro, pediu para parar, ele ficou bravo e te largou sozinha na rua. Você chorou até chegar em casa e durante uma semana se perguntou qual é o problema que as pessoas têm em tentar entender a privacidade do próximo. Depois você esqueceu que chegou a gostar daquele babaca. Mas ainda dói.

Aquele dia em que todas as suas feridas vazaram pra fora dos curativos mal colados na pele e você viu todo aquele sangue feito de palavras não ditas, vergonhas em público, fracassos pessoais, decepções sociais. Todo aquele monte de frustração te olhando, esperando que você limpasse o ferimento, esperando que você lidasse com a dor. Mas você só chorou, quieta e sozinha no seu canto. Colocou outro curativo por cima e foi dormir de cansaço por ter chorado tanto.

Você não sabe o que as pessoas fazem quando ficam tão tristes assim. Você não sabe lidar com o que há no seu interior. Mas sabe que uma hora vai ter que lidar com isso, sabe que não dá pra continuar com esses curativos mal feitos. Por que não começa agora?

Ninguém vai te dizer como fazer isso. Depende de você. Mas você pode começar tentando se respeitar. Tentando olhar pra você mesmo como a pessoa mais importante da sua vida. Ou tentando olhar pra trás, olhar para a criança que você foi um dia, na confiança de que você precisa fazer isso por ela. Precisa se curar das mágoas por ela.

Então vai, vai tirando esses curativos aos poucos. Vai limpando, colocando algo pra aliviar a dor, pode ser uma música ou algumas palavras amigas. Vai parando de se remendar. Você é importante. Apesar de todas as feridas, saiba que você é capaz de fazer algo bom para você mesma.

Like what you read? Give Ana Beatriz Serafim a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.