Ternura à frente

Posso mandar um papo reto?

Falar de toda essa merda que eu enxergo?

Nos dias atuais vejo uma ternura solitária, descarada e à frente.

O “endurecerse” está cada vez mais no passado revolucionário, numa Latino América dormente.

Doente depois de tanto ser roubada, manipulada e… assassinada.

Em vez de as veias abertas deveriam ser as pernas abertas, porque…

Todos os dias morrem 12 mil mulheres latino-americanas e caribenhas!

Pra não dizer que não falei do Brasil,

A cada 11 minutos uma irmã, amiga ou conhecida é estuprada!

E além da liberdade, também é raro encontrar uma mana que não foi molestada.

Só pra lembrar geral: nosso útero é laico e estamos nas ruas gritando nem uma a menos

Mas também nem uma Mariana a mais, porque não foi só crime ambiental, mas genocídio a mando do planalto central.

Ah, Brasil. Líder em feminicídio, bala perdida, chacina indígena e em deixar negro morto.

Ah, ah, ah, que beleza. ​Nossa passividade falha, nossa juventude acordada e não apoiada.

Nossos direitos mortos e nossas reuniões pesadas em busca da guria que quebrou a vidraça.

Querendo justificar a violência do estado esquecendo que pro pobre nem sonhar é de graça.

Enquanto isso, 20 bilhões morrem em uma cartada, na negociata dos banqueiros que ajudam bem faceiros a destruir cada pedaço de floresta sem cansaço.

Luto pela unidade, mas como andar lado a lado com companheiro que tem maldade?

E quer entregar os nossos pros cachorros do estado​ sem autenticidade?

Pros capitães do mato que espancaram Matheus e mataram Gabriel?

Só a luta radical pra mudar a rotina de Maria e sua filha.

Fazer ciranda não barra projeto de lei, não alimenta a pança e nem a minha sede de vingança.

Eu quero a gente com poder nas mãos, tendo coragem pra tomar a grande decisão

De se rebelar contra o patrão pra assim rompermos o fluxo da subdivisão.

Ah, brasil… Vão ficar estupefatos quando tivermos um povo em greve geral e real.

Um povo nas portas das covas dos ratos e revidando com os mesmos aparatos “os porco” que tacam tiro, porrada e bomba.

Ah, revolução. Tamo junto irmã e irmão.

Um dia tomamos em mãos a nossa nação

Daqueles cristãos que têm sangue em suas mãos

Daqueles poucos aristocratas, antes bandeirantes hoje na bancada do boi e da bala. ​

Volta tudo, vamos começar um novo mundo. Onde todos sejam iguais então.

Salve Paraná, São Paulo, Chile e Uruguai. Movimento estudantil firme e forte.

Salve também aos guerreiros e guerreiras indígenas, quilombolas e do campo que estão enfrentando o Estado para continuar respirando.

Enquanto estamos aqui ó, Lula 2018… QUERO MAIS É PODER AO POVO!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.