Mais uma sobre a saudade

O que mais dói é o quanto você parece feliz. Te ver curtindo a noite, se divertindo, aliviado por não estar mais num relacionamento, enquanto eu não consigo nem ir a um aniversário sem me esconder no banheiro do bar para chorar.

Muita gente anda escrevendo sobre saudade. Mas eu vejo tudo e não consigo acreditar que essas pessoas sentem tanta saudade de alguém como sinto de você. Tá todo mundo aí, trabalhando, cumprindo agenda, sorrindo. Enquanto eu não consigo nem estudar praquela prova que passei o ano inteiro temendo, passo o dia na cama e já há uma semana nada para no meu estômago. Ou essa gente tá fingindo a saudade ou você estava certo, eu sou uma exagerada.

Você também não tem saudade. Você fala comigo como se nada tivesse acontecido, como se fôssemos aqueles amigos que trocavam mensagens antes de tudo acontecer, viaja, curte a família. E eu aqui tratando mal as amigas que mandam mensagem pela simples decepção de receber uma notificação e ver que não foi você que mandou.

Você age como se não sentisse falta de dormir comigo deitada no seu peito e eu encharco o travesseiro só de pensar que não terei mais aquele amor agarrado cheio de declarações, que em qualquer situação seria absurdamente brega, mas com você era natural, era a coisa mais quente que alguém podia sentir.

Li um texto sobre arrependimentos e passei uma hora maldizendo o dia que te conheci. Eu não queria nem sair de casa pra começar. Desprezei o dia que fui te encontrar. Quis apagar aquele final de semana que você passou na minha casa e me fez dispensar alguém com quem as coisas iam bem porque não dava mais pra não me apaixonar por você.

Queria desviver a gente.

Mas é claro que isso não é verdade. Só queria mesmo era que você também tivesse saudade.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.