DE PASSAGEM
Anderson C. Sandes

Essas vilinhas bucólicas
Quiçá melancólicas
Com bodes amarrados em algarobeiras
Recordam-me algo que fui, talvez.
Falo de um sujeito mais manso . . .
Nem sei . . .
Hoje sou mais como aquele 
Rio seco, agreste . . .
Eu até vou p’ro destino
Mas me arrastando
Como lágrimas em face rugosa
Lágrimas d'um olhar seco
Olhar que observa bodes
Em vilinhas bucólicas
Fartas de algarobeiras
E vê nisso poesia

(E os bodes me olham... Com olhos mais úmidos que os meus).


Imagem: Óleo sobre tela, Adriano Santori

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.