Deixei de ser ancap, quando parei de tratar o problema da legitimidade do Estado como um problema relativo à necessidade ou não de um monopólio da coerção para o cumprimento de normas pré-existentes e passei a tratá-lo pela perspectiva da relação da autoridade com a própria criação da norma. Em suma, hoje, quer me parecer que normas demandem uma decisão de autoridade para existirem como tal, ao menos em alguma medida e em sociedades complexas.