Como anda o teu Estresse?

O estresse pode ser bom?

Tenho uma notícia para você. O estresse é inevitável. E necessário. E sim, pode ser bom. Um pouco dele.

O estresse é uma resposta de adaptação, que o nosso organismo dá ao que está acontecendo no momento presente. Mas isso não é restrito aos seres vivos. Os materiais com os que as coisas são construídas passam por um estresse antes de serem comercializados. Ainda bem. É durante um teste de estresse que os materiais mostram sua adaptação para a função que cumprirão. Se você está lendo este post num laptop, por exemplo, saiba que antes de você adquiri-lo passou por um ou vários estresses. E ao efetuar a compra, você fez valer o estresse. Burn-In é chamado um desses testes nas fábricas. São 48 horas, ou mais, num forno a temperaturas elevadas, realizando o máximo de funções possíveis ao mesmo tempo. Se passar pelo estresse pode ser comercializado.

Sala de Burn-In

— Mas eu não sou um material, um laptop — quase consigo ouvir teus pensamentos até aqui.

É verdade. Mas um estresse de vez em quando, para ficarmos espertos, é necessário. Não demasiado, claro. Se nós estivermos constantemente passando por estresses de adaptação, sem um intervalo adequado entre um acontecimento e outro, poderemos ter estresse em excesso. O que não é bom. Não recomendo! Em casos como esse o nosso corpo terá sido exigido além do nosso limite. Cada um de nós tem um limite de respostas de adaptação.

Uma mulher que acabou de ter um filho e o pai dela faleceu, por exemplo. Serão duas situações estressantes, nas quais novas respostas serão exigidas desta mulher. Agora ela tem um filho para cuidar e não tem mais a presença física do pai dela. Se este pai morava perto, participava do cotidiano da família, se ele morava longe, estava hospitalizado, se ele morava na mesma casa que a filha, era alcoólatra, se estava com dívidas financeiras, com imóveis sem a documentação regularizada… independendo de como a situação estava, ela terá que lidar com o luto e tudo o mais que vêm junto, bem como com o filho que acabou de nascer com, lógico, todas as necessidades de um recém-nascido. Provavelmente ela experimentará um misto de sentimentos: a tristeza pela morte do pai (se esta relação pai-filha estiver OK) e a alegria do nascimento de seu filho (se este filho foi desejado). Isso pode ser demais para ela. Pode ser muito estresse. Pode ser além do limite. E terá consequências. Mas no caso dela terá que se adaptar. Não há como parar o filme.

Também estou ouvindo desde aqui que você não é mãe nova, e que teu pai não faleceu. OK. Mas em algum momento todos nós passaremos por fortes estresses na vida. E é bom estarmos preparados para isso. Como? Para isso servem os estresses do dia a dia. Para treinarmos o como lidar com circunstâncias novas. Para ficarmos espertos desde já.

Será que é evitar passar por situações conflituosas? Evitar tristezas? Evitar raivas? Evitar lutos? Claro que não. Sentiremos tristezas, raivas, medos e alegrias durante a nossa existência. O que devemos aprender é a relaxar depois de cada estresse. Simples assim.

Todos somos seres humanos espontâneos e criativos por natureza. Podemos encontrar respostas novas e adequadas para situações velhas, ou respostas velhas e adequadas para situações novas, ou respostas novas e adequadas para situações novas. É tudo possível. O importante é praticarmos o relaxamento intercalado aos momentos de resposta de adaptação ao que a vida vai nos oferecendo.

O que podemos fazer para relaxarmos, para darmos uma revigorada? Pense em alternativas que você não usou ainda, ou lembre do que já fazia, funcionava, mas parou de fazer. Será que funcionaria agora? Existe outra maneira de se obter qualidade de vida?

Meu conselho: estressar e relaxar, estressar e relaxar, estressar e relaxar. Sempre um ao lado do outro.

Eu relaxo fotografando, e você?

Como anda o teu estresse? O que você faz para relaxar? Como você tem escolhido dar qualidade para tua vida? Pensa nisso.


Para relaxar procura onde assistir este filme e se divirta vendo como a protagonista enfrenta o estresse. Pode ver um dos trailers aqui.

Like what you read? Give Andréa Korps a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.