Como são as minhas crenças sobre o relaxamento?

Em que acredito: posso ou não posso relaxar?

Estive conversando com uma amiga na semana passada. Foi um encontro em que ampliamos as nossas crenças sobre o relaxar e pudemos dar continuidade na transformação delas.

Veja, apesar de ser psicóloga e trabalhar bastante com o assunto do estresse, tenho minhas dificuldades. Como todos!

Ao falarmos sobre essas questões, ela e eu concluímos que que carregávamos pensamentos, sentimentos e atitudes sobre o relaxar que estavam disfuncionais. Não estávamos nos permitindo relaxar completamente, assim, no mais profundo do nosso ser. Só um exemplo: não estávamos colocando limites nas relações com outras pessoas para descansarmos e termos um tempo conosco mesmas.

Cada pessoa tem o seu jeito de relaxar. Qual é o teu? Eu redescobri que posso relaxar com a música. Parece óbvio, a princípio, que a música nos relaxará. Entretanto, eu estava me permitindo relaxar com a música? Não né! Esqueço, às vezes, do poder das coisas simples. Como foi gostoso relaxar no encontro com a minha amiga e resgatar que ouvir música me transforma nos momentos em que o estresse começa a se tornar pesado.

Quais são tuas crenças disfuncionais? Como colocar limites para os demais, por exemplo? Muda tuas crenças se necessário. Pensa nisso.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.