Vamos 'ser' humanos melhores

Uma vez eu li que um relacionamento (seja ele um relacionamento amoroso, uma amizade ou uma parceria profissional) só é bom quando a outra pessoa, ou a outra parte, te faz ser um ser humano melhor. E isso até que faz sentido. É muito fácil ver isso em relacionamentos que "dão certo" (é só perceber, por exemplo, como uma pessoa que está em um relacionamento bem-sucedido é, em geral, uma pessoa mais agradável).

Mas e quando o relacionamento não dá certo? Como ser uma pessoa melhor depois de ouvir da pessoa que você mais ama que ela não quer mais ficar mais com você? Como manter o pensamento positivo quando a gente descobre que aquele amigo que a gente mais confiava fez algo que traiu a nossa confiança?

Ficar triste e chateado com essas coisas é muito normal. É até saudável. O segredo para "ser melhor" está na maneira como lidamos com essa tristeza e chateação. E no fundo, a gente tem pouco controle na maneira que o nosso sistema cognitivo lida com eventos negativos como término de relacionamentos. No entanto, podemos (e na verdade, devemos) tentar restabelecer esse controle de maneira indireta. Vou dar algumas dicas:

  1. Cuidado com o que você fala: Quando você é traído, é muito comum querer sair falando mal da pessoa que te traiu: aquele filho da p** não presta ou aquela vagabunda é uma egoísta. No entanto, pesquisas mostram que quando falamos mal de alguém, as pessoas associam as características negativas com a gente mesmo. Isso mesmo. Quando você chama o seu ex-chefe de autoritário, filho da mãe, as pessoas associam essas características a você, e não à pessoa de quem você está falando. Ou seja, evite falar mal das pessoas, ou descrevê-las de maneira negativa, em qualquer contexto ou circunstância.
  2. Não fale sem saber: uma das principais características que nos diferencia dos outros primatas é a nossa capacidade de perceber a intenção dos outros (em inglês a gente chama isso de intention reading). No entanto, essa característica, as vezes, parece negativa, principalmente quando percebemos intenções erradas, ou exageramos nas intenções que percebemos. Uma simples ação de "acender a luz da sala" pode ter sido motivada por uma gama de fatores (e.g., a sala estava escura e a pessoa queria ler; a sala estava escura e a pessoa tem medo de escuro; na cultura da pessoa acender a luz naquele momento específico é sinal de respeito, etc…). Se o seu/sua parceiro/a terminou com você, existem N motivos que o/a levaram a isso. Sem uma conversa franca e aberta sobre o motivo, não assuma nada. E principalmente: não tome atitudes com base em coisas que vocês só inferiu que pode ser verdade.
  3. Nem sempre é com você: Nós somos extremamente egocêntricos. Algumas pesquisas apontam para o interessante fato de que nós sempre nos achamos mais importantes do que realmente somos: o projeto não foi pra frente por causa de alguma coisa que eu fiz ou ela me traiu por que eu não dei atenção suficiente pra ela. Well, a boa notícia é que nem sempre somos responsáveis pelas coisas ruins que nos acontecem. E se libertar dessa culpa é um dos principais remédios para lidar com eventos negativos dessa natureza.
  4. Não tem como controlar tudo: Já falei em algumas das minhas postagens no Cognando que o ser humano adora controle (ou pelo menos a sensação dele). E por isso, sempre achamos que temos mais controle da situação do que realmente temos. Assim, é muito comum, ao final de um relacionamento, que as partes envolvidas fiquem remoendo o passado e pensando eu deveria ter feito isso, ou eu deveria ter falado aquilo. A verdade é que a gente só controla uma pequena parcela das situações que vivemos no dia-a-dia, e ter clareza disso, nos ajuda muito a lidar com aquelas situações que não acabam bem.

No final das contas, quando um relacionamento (seja ela qual for) chegar ao fim, tente colocar em foco as coisas boas que aconteceram e como ele te fez ser uma pessoa melhor (uma estratégia pra isso: escreva as coisas positivas. Pesquisas sugerem que escrever melhora a nossa memória acerca de certos fatos). Esse benefício pode não ser evidente no início, mas se você levar em consideração algumas das dicas que menciono, tenho certeza que esse início vai passar mais rápido do que você imagina. E tudo que vai sobrar será uma versão melhor de você mesmo!