Beasts of no Nation: um favorito ao Oscar que você não verá nos cinemas

Se essa guerra um dia acabar, não posso voltar a fazer coisas de criança.

Tem filmes que você assiste e automaticamente pensa: “estou diante de um forte concorrente ao Oscar”. Com “Beasts of no Nation”, escrito e dirigido por Cary Fukunaga (de “True Detective”), não é diferente. Aliás, há uma diferença: você não verá esse filme nos cinemas, pois se trata da primeira produção cinematográfica original da Netflix – gigante serviço de streaming que já faz sucesso com suas séries próprias.

E a empresa começa com o pé direito. “Beasts of no Nation” é um filme forte, com uma trama primorosa e atuações magistrais. Retrato nu e cru de um conflito armado na África, a adaptação do livro homônimo escrito pelo nigeriano Uzodinma Iweala foca na vida de um jovem que tem sua família assassinada e é recrutado por uma milícia para guerrear.

Este jovem é Agu, interpretado pelo estreante Abraham Attah. E o menino arrasa! Conseguindo mostrar todo o sofrimento vivido pelo personagem somente com o olhar penetrante, Attah rouba a cena a todo momento. Consegue isso dividindo a tela com Idris Elba (“Mandela: O Caminho para a Liberdade”), um dos melhores atores da atualidade.

A frase que abre esse texto é um das falas de Agu durante o filme, que mostra como a guerra pode ceifar vidas e roubar a infância de muitas crianças. Com uma fotografia esplendorosa, trilha sonora impecável e uma produção digna de qualquer obra exibida em grandes cinemas mundo afora, “Beasts of no Nation” tem tudo para fazer história.