Beasts of no Nation: um favorito ao Oscar que você não verá nos cinemas

Se essa guerra um dia acabar, não posso voltar a fazer coisas de criança.

Tem filmes que você assiste e automaticamente pensa: “estou diante de um forte concorrente ao Oscar”. Com “Beasts of no Nation”, escrito e dirigido por Cary Fukunaga (de “True Detective”), não é diferente. Aliás, há uma diferença: você não verá esse filme nos cinemas, pois se trata da primeira produção cinematográfica original da Netflix – gigante serviço de streaming que já faz sucesso com suas séries próprias.

E a empresa começa com o pé direito. “Beasts of no Nation” é um filme forte, com uma trama primorosa e atuações magistrais. Retrato nu e cru de um conflito armado na África, a adaptação do livro homônimo escrito pelo nigeriano Uzodinma Iweala foca na vida de um jovem que tem sua família assassinada e é recrutado por uma milícia para guerrear.

Este jovem é Agu, interpretado pelo estreante Abraham Attah. E o menino arrasa! Conseguindo mostrar todo o sofrimento vivido pelo personagem somente com o olhar penetrante, Attah rouba a cena a todo momento. Consegue isso dividindo a tela com Idris Elba (“Mandela: O Caminho para a Liberdade”), um dos melhores atores da atualidade.

A frase que abre esse texto é um das falas de Agu durante o filme, que mostra como a guerra pode ceifar vidas e roubar a infância de muitas crianças. Com uma fotografia esplendorosa, trilha sonora impecável e uma produção digna de qualquer obra exibida em grandes cinemas mundo afora, “Beasts of no Nation” tem tudo para fazer história.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.