Pacientes Poderosos, Médicos Empoderados.

Em 2012 aconteceu a primeira Conferência Europeia de Empoderamento do Paciente , organizada entre outras entidades pela Organização Mundial de Saúde.

Mas o que seria empoderar o paciente?

Segundo a organização “European Patients Forum”, empoderar o paciente significa promover estratégias e serviços que auxiliem os mesmos a se envolver no processo de tomada de decisão e gestão de sua condição de acordo com a sua preferência. Através do desenvolvimento e da implementação de políticas e serviços com foco no paciente, podemos estimular sua autonomia, além de aumentar a consciência sobre os seus direitos e responsabilidades.

Significa capacitar os pacientes para que eles tenham o direito de fazer suas próprias escolhas sobre sua saúde. Significa trazer o conceito de medicina centrada no paciente para a realidade.

Todos nós somos ou seremos pacientes ao menos uma vez na vida. E sabemos que em cada momento, temos nossas preferências, dúvidas e necessidades. Porém, como podemos fazer escolhas, quando não temos opções? Como ter autonomia em um cenário criado para ser dependente?

Como profissionais de saúde, nos tornamos dependentes de um sistema sem escolhas. Como pacientes, dependemos de quem depende desse sistema. É muita dependência, pouca autonomia.

Há alguns anos atrás pensávamos em como educar os profissionais de saúde a educar seus pacientes, a empoderá-los. Entretanto, a cena mudou rapidinho. Os pacientes já estão educados, ativos, curiosos, com suas vontades e suas dúvidas.

Nós, médicos e profissionais de saúde, é que não estávamos preparados para eles.

Olhar para o paciente como um indivíduo desinformado, que não sabe o que quer ou o que procura não cabe mais na nossa realidade atual. Agora não basta darmos nossa opinião sobre um tratamento ou dizer um nome difícil para o diagnóstico. O paciente quer saber : o que ele tem; se ele tem o que acha que tem; porque isso esta acontecendo com ele; quais as opções de tratamento; o que ele pode fazer para melhorar.

O paciente já esta empoderado, mas não fomos nós que o ensinamos.Talvez por isso nos sentimos um pouco inseguros, afrontados talvez. Mas é a partir da liberdade conquistada pelo paciente, que conseguiremos conquistar a nossa.

Afinal se um paciente não aceita mais uma consulta médica sem explicações, talvez eu possa melhorar a minha forma de atender — possa fazer aquele atendimento que eu tanto queria quando entrei na faculdade. Se meu paciente tem a liberdade de escolher, fica mais fácil oferecer aquilo que ele precisa. Se meu paciente sabe o que ele quer, eu posso mostrar os melhores caminhos para chegar até lá.

Precisamos compreender o empoderamento do paciente como uma enorme conquista em saúde. Assim conseguimos entregar à mais pacientes as facilidades que eles precisam, no momento certo, da forma que é importante para ele. E devemos utilizar essa premissa para potencializar a satisfação dos médicos em atender os seus pacientes da melhor forma possível.

Foi por isso que criei a LifeDoc, e é por isso que eu acredito em pacientes poderosos e médicos empoderados.