O valor do design para o setor público

Reduzir o orçamento significa inovação no governo e é vital para que os serviços públicos tornem-se mais eficazes melhorando a experiência dos usuários.

Para fazer uma diferença real nos serviços prestados, esta inovação tem que começar com as necessidades dos cidadãos. Este é um princípio que se aplica em todas as áreas para renovação do setor público, incluindo a governança e políticas públicas.

Estamos testemunhando uma série de tendências encorajadoras nesta área:

Projetos piloto que demonstram como métodos de design pode revigorar serviços públicos;
 Os funcionários públicos estão sendo treinados em design thinking;
 Designers (gerentes de projeto) estão sendo contratados para melhorar a tomada de decisão em órgãos públicos;
 Unidades de inovação multidisciplinares sendo estabelecidas no coração do governo;
 O surgimento do design como um método inclusivo para o desenvolvimento de políticas públicas.

Um conjunto crescente de evidências demonstram que a inovação orientada para o design pode resultar em ganhos de eficiência significativos, redução de riscos e um forte retorno sobre o investimento para o setor público.

Apesar de ainda não ter reunido todas as provas, estudos de caso presentes sugerem que, da mesma forma que retornos maiores são alcançados pelas empresas através do uso da concepção estratégica, o impacto para o setor público também é maior quando o design é integrado a uma estratégia.

Public Sector Design Ladder

A Public Sector Design Ladder é uma ferramenta de diagnóstico para os orgãos públicos trabalharem seu nível de uso do design e definir um roteiro para progredir.

escada-design-setor-publico1

Para demonstrar como o impacto do projeto pode mudar estes diferentes níveis, os exemplos de cada etapa estão listados abaixo. Os estudos de caso completos podem ser lidos no relatório do Design for Public Good.

Passo 1: Design para problemas discretos

O projeto The Good Kitchen veio para repensar serviços de alimentação para os idosos no Município Holstebro, na Dinamarca, onde 60% das pessoas tiveram má nutrição. A implementação de um projeto de intervenção resultou em um aumento de 22% na satisfação do cliente e aumento de 78% nas vendas de refeições saudáveis.

O Make It Work é um projeto para o Conselho Municipal de Sunderland no Reino Unido focado em inserir os desempregados no mercado trabalho. Esta era uma cidade onde 26% da população ativa estava fora do trabalho e custando ao governo milhões de libras em benefícios. Depois de uma intervenção pelo design de £180.000 (€240.000), 275 pessoas encontraram trabalho, reduzindo o custo de ter um indivíduo de volta ao trabalho a partir de £62.000 (€83.000) para menos de £5.000 (€7.000) — uma economia de custo de 90% .

Passo 2: O design como capacidade

Um exemplo na etapa dois da escada seriam os Housing Option Services fornecido pelo Conselho de Lewisham em Londres. Em 2010, confrontado com subidas desafiadoras na demanda e reduções no orçamento, Lewisham transformou-se em Design Conselho para tentar uma abordagem diferente. Um novo serviço foi implementado como os casos acima, mas o objetivo principal era trazer uma mudança cultural no âmbito do Conselho para que os métodos de projeto virassem parte da prática normal de trabalho. A partir de um investimento inicial de £7.000 (€9.000) na formação, racionalização de £368.000 (€492.000) foram calculados.

Passo 3: O design para a política

Em toda a Europa estamos vendo um número crescente de designers, nas autarquias locais, nomeadamente em Lahti (Finlândia), Sainte-Étienne (França), Dublin (Irlanda), Barcelona (Espanha) e Kent, Shropshire e Monmouth (UK). No coração do governo, nós também estamos vendo o surgimento de unidades multidisciplinares de inovação utilizando design — alguns dos melhores exemplos incluem: MindLab (Dinamarca), Helsinki Design Lab (2009–2013), Experio Lab (Suécia) e o Government Digital Service and Cabinet Office Policy Lab (UK).

laboratorios-inovacao-wegov

Estas iniciativas representam a etapa três na escada, onde as abordagens do design são integradas na alta administração do governo. Por exemplo, o GOV.UK doo Reino Unido, iniciativa implementada pelo Government Digital Service (GDS ) , agrupou 350 sites que estavam separados para proporcionar uma melhor experiência digital para os cidadãos. Substituindo os dois principais sites de apoio do governo já economizou £55–70m (€74–94m) e a poupança anual estimada de uma mudança para o digital é de aproximadamente £1,7 bilhões (€2,3 bilhões). Dentro dessas unidades, o design também está sendo testado como um método para, inclusive, a formulação de políticas com foco no cidadão.

Nos próximos anos, prevemos que as autoridades públicas irão desenvolver suas capacidades internas para a inovação orientada pelo design através da formação de pessoal em Design Thinking, empregando gerentes de projeto, a criação de unidades de inovação multidisciplinares e adotando o design como um método centrado no usuário para a formulação de políticas inclusivas.

VIA: Design for Europe