Tá tudo indo bem. Eu não.

Eu não te contei, mas a minha vida está caminhando, fluindo, repleta de conquistas e sonhos tomando forma e ganhando cheiro. Olho para o meu presente e me sinto abençoada. Sinto-me privilegiada. Estou crescendo. Estou vencendo. Passando etapas. Ultrapassando obstáculos. Há no meu presente um sentimento de vitória.

Eu não te contei que tenho medo. Temo não saber viver essa vida em águas calmas. Passei muito tempo em mar revolto. Passei muito tempo afogada. Minha vida era inundação. Agora que estou deitada na areia, com o sol iluminando meu corpo penso que não sei curtir esse céu.

Eu não te contei, mas o peso do meu passado se arrasta e não me deixa carregar a leveza do cotidiano. O hoje é suave, eu que não sou. Eu fico inquieta, pois eu temo. Eu temo esse desconhecido que sorrir pra mim. Sou uma estranha nessa vida bem ajustada. Preciso largar essa mala desatualizada, mas eu tenho medo. Eu tenho medo. Eu tenho raiva. Eu tenho muita raiva. A raiva me rasga. A raiva dilacera tudo. E o orgulho separa, dividi, esconde e dissimula. Essa bagagem machuca meus ombros e não tá me deixando aproveitar o novo.

Como? Como eu posso estar aqui? Como? Como viver o hoje? Eu não sei. Eu só sei navegar em mar revolto. Não aprendi a relaxar na praia.