Só por hoje, acredite.

Meu abraço carinhoso em quem já pensou em desistir, mas está aí na luta.

Acredite, em algum momento você vai sentir como se o mundo fosse te engolir como se fosse um enorme buraco negro. Na verdade, não vai. Pode acreditar, não vai!

Em algum momento você vai sentir que alguma pessoa, ou várias, estarão deliberadamente tentando te magoar. Na verdade isso é bem raro. Apesar de a sensação ser muito real.

Essas pessoas psicopatas ou sem caráter algum, são as exceções. De verdade. A vida não é uma novela cheia de vilões e mocinhos, é um filme independente cheio de gente imperfeita como você. Imagine comigo quão poucas pessoas acordam cedo e dizem ao espelho: “hoje vou destruir os sentimentos e sonhos de fulano de tal, porque eu posso, simples assim.”

De alguma forma, em algum momento, você pode chegar à estranha conclusão de que sua família não liga muito para os seus sentimentos, nem entende seus limites e dores. Não. Às vezes eles nem sabem o que se passa na sua mente. Ajude tua família a te entender. Fale. Fale com quem você confiar mais. Se faça ouvir. Tente explicar sua dor. Pode dar em nada, e você vai ver que tinha razão desde o início, mas pelo menos você tentou. Ou pode dar muito certo e você vai ter um aliado para a vida inteira. Você pode até se machucar no processo, mas vai sair dele bem mais maduro.

Atenção! Isso é muito importante. De repente você vai conhecer alguém, amigo (a) ou namorado(a), e vai se apaixonar por aquela pessoa. E vai abrir seus sentimentos mais escondidos, seu lado mais vulnerável e escondido. E esta pessoa vai te trair, vai te deixar, não vai se abrir a você como você se abriu a ela, não vai te amar, vai bater a porta na sua cara, vai amar e namorar outra pessoa, vai mentir pra você, vai pisar com os pés sujos nos seus sentimentos mais lindos. Eu poderia dizer que essa pessoa, seja amigo(a) ou amante, é uma grandissíssima FDP. Mas não. Só é um ser humano. Cheio de defeitos. Como eu. Como você.

Não somos, em essência, vilões ou heróis. Creio que nenhum desses papéis me cairia bem. Me acho uma chata afável, ou, no máximo, uma sentimental cheia de espinhos pra me proteger. Depende do dia, e de quem se aproxima.

O que eu quero te dizer é que nem todos os problemas mais escrotos do mundo são “sem solução”. Não existe “beco sem saída” na vida real. Todo problema pode ser resolvido, então não se preocupe. Se não puder ser resolvido não é problema, então não se preocupe também, e estou parafraseando uma citação chinesa, salvo engano.

O que eu quero que você saiba, ainda, é que raramente alguém te magoa com intenção implacável de te magoar. Às vezes foi uma palavra não dita, ou dita na hora errada, em que a pessoa não está bem, ou realmente esta criatura não tem um mega caráter confiável. Acontece. Ela pode ter tido uma atitude ególatra e meio sem consciência de que poderia magoar você. Assim como você pode ter magoado alguém sem sequer ter percebido. Acredite. Essa consciência de que magoamos o outro ainda é muito infantil. A gente sempre se acha certo, bom e merecedor do melhor. Menos, né? Podemos melhorar. Todos nós. Agora, isso não te impede de ter raiva da criatura que te pisou no calo, você ainda não é um ser iluminado, ainda tem sentimentos bem mundanos. Mas pense, vai resolver morrer de raiva? Pense de novo. Sério! Bota a raiva pra fora e segue.

O que eu gostaria que todos pensassem, por um minuto, é na ideia de família. Da solidariedade envolvida nesse laço. Muitas vezes de onde você menos espera vem uma mão e te levanta. Nem sempre a gente se dá perfeitamente bem, óbvio. Conviver é uma das lições mais duras dessa vida. Mas compaixão é um dos sentimentos mais nobres do ser humano. Como anda a sua compaixão para com os seus familiares? Como anda seu diálogo com seus parentes? Pode ser que eles te achem autossuficiente o bastante pra não precisar da ajuda de ninguém. Então, peça. Converse, explique. Vale a pena. Sempre.

Entenda, de verdade, não é ruim baixar a guarda. Se abrir a uma amizade que parece a coisa mais sincera desse mundo. Abrir seus sentimentos para aquela pessoa especial que faz seu estômago gelar, também não é errado. É bonito. É necessário. Precisamos aprender a amar. Esses são lindos “ensaios”, que podem acabar em muito mais que um ensaio.

Mas aceite que a pessoa a quem você entregou seus segredos, sua confiança, seu amor, seu abrigo, sua paz, suas dúvidas, sua amizade, seus sonhos, seus medos, pode simplesmente não querer se abrir e entregar a você do mesmo jeito, ou com a mesma intensidade, nem com os mesmos propósitos. Pode não haver reciprocidade. Isso não a torna uma pessoa má. Nem te torna “a pessoa errada”, com “defeito de fábrica”. Dá raiva, frustração se você planejou um futuro, tristeza, angústia. Chora, desabafa, mas deixa esses sentimentos irem embora.

No meu caso, prefiro crer que quem “me deixa escapar” é uma pessoa de mau gosto, sem noção, ou muito ingênua, e isso me faz rir bastante dos tocos que levo na vida. Tenho consciência dos meu defeitos e falhas. Não sou santa de altar. E sei que não sou melhor, nem muito pior que ninguém. ;-)

Também sou rejeitada. Pasmem!!!! :-0

Agora, sejamos honestos, se eu sempre partir do princípio de que não sou perfeita (porque, afinal, o que é perfeição?), e se eu entender que estou lidando com outro ser tão imperfeito quanto eu, preciso lidar com a possibilidade de dar tudo muito errado… Não dá pra querer que essas relações acabem sempre em “e foram amigos para sempre”, ou “e foram um casal perfeito para sempre”!

Não dá pra se atormentar com isso. Não dá pra perder noites de sono pensando nisso. Aliás, a solução pode vir mais facilmente em sonho do que rolando na cama, acredite. E dormir é bom pra pele. Fica a dica

Ontem foi um dia duro, como muitos outros. Quem não tem dias ruins?

Mas é nos dias que chove dentro de mim e que tudo parece cinza, que consigo enxergar algumas cores sutis, vários tons entre o preto e o branco. Coloco meus pensamentos e sentimentos em ordem e me dou o direito de sossegar.

Acredite, já me parti em milhões de pedaços, mas hoje estou aqui, inteira.

Preparada para mais um dia, mais uma semana, mais um ano, mais uma amizade linda ou falsa, mais um amor de verdade ou de bijuteria, mais um colega de trabalho bacana ou sacana, mais um chefe incrível ou machista, mais uma colega invejosa ou que me põe pra cima, pra lidar com um familiar que tropeça na minha dor sem ver, ou pra receber um abraço aconchegante daquela irmã linda que Deus me deu.

Porque no fundo, as coisas ruins só me derrubam se eu permitir. Isso é certo!

E tem tantas coisas boa pelas quais vale a pena aturar as chatices e continuar viva!

Um abraço. Cheio de vida. Você nunca está só.

Andrezza Sousa

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.