A consciência existe em um estado de neutralidade natural. Tudo que existe dentro da consciência — como uma experiência de realidade — pode ser tanto usado positiva quanto negativamente, ou seja, pode servir como dupla função. Algo que pode servir como dupla função é neutro, pois não tem nenhum significado embutido.

Quando damos um significado positivo para uma situação — circunstância, seja física ou não-física — nós vamos apenas experienciar um resultado positivo dessa situação, da mesma forma que quando damos um significado negativo, vamos apenas experienciar uma função negativa dessa situação. O ponto a se entender aqui é que a situação, para poder ser utilizada tanto positiva quanto negativamente, PRECISA ser fundamentalmente neutra, ou seja, ausente de um significado real.

Quando aprendemos a simplesmente perceber a existência, sem uma projeção mental (mesmo sendo por curtos períodos de tempo, como por 2 a 5 segundos), começamos a nos acostumar com o estado de neutralidade natural da existência. Percebemos que quando nós experienciamos, em outros momentos, uma situação muito negativa, essa situação só foi experienciada dessa forma devido à nossa tela mental, ou seja, a nossa projeção psicológica sobre a realidade.

Mas tal projeção psicológica, quando negativa, não é baseada na nossa criação autêntica, e sim nos conceitos e crenças limitantes que aprendemos durante o processo de socialização. Em outras palavras, quando você está definindo a realidade — que é neutra — como negativa, não é VOCÊ, de fato, que está pensando isso, mas você está apenas repetindo um padrão de pensamento que aprendeu com outra pessoa. Você está sendo, no fim, uma ovelhinha.

Porém, quando a projeção é positiva, ela traz um ar de confiança, criatividade, amor, inspiração, felicidade, inspiração… Por que? Porque quando algo é positivo ele é mais coerente com a maneira que a realidade realmente funciona. A realidade é um Jogo Infinito de 1 Consciência que se experiencia em uma multitude de maneiras diferentes simplesmente para provar mais do seu próprio potencial infinito.

E dentro do infinito, TUDO É CRIAÇÃO.

Ao mesmo tempo, a situação que grande parte da população se encontra é de uma reprodução inconsciente dos padrões de consciência negativos da cultura ainda dominante. Quando passamos anos e anos reproduzindo esses padrões de crenças e pensamentos (maneiras negativas de interpretar a realidade), essas crenças se solidificam na nossa experiência, tomando um tom de realidade muito maior.

Ou seja: quando passamos muito tempo vendo as coisas de uma maneira negativa, a nossa experiência realmente se torna negativa. Já que tudo é uma consciência provando a si mesma, se a consciência está emitindo a frequência de uma vibração negativa, é isso — negatividade — que ela vai acabar atraindo para a sua experiência, cada vez mais e mais. A partir daí, muitos entram na bolha de vitimização, de onde simplesmente não conseguem ver motivo para sair, porque tudo que percebem na realidade “exterior” apenas confirma a sua própria negatividade, e ficam “presas” (ilusoriamente) na sua própria criação. Elas se tornam vítimas do seu próprio poder.

E isso não é algo que surgiu agora: isso é o que a humanidade tem feito há décadas, há milênios! Esse é o tema de exploração que a consciência do nosso coletivo tem explorado há muito tempo. Nós somos o Infinito explorando limitação em abundância.

Por isso que muitas pessoas nascem hoje em situações de risco, dificuldade, e extrema negatividade (literalmente sendo vítimas, sem terem emitido essa frequência conscientemente): é porque nós ainda estamos sujeitos às vibrações que os nossos antepassados ainda estavam emitindo, e isso não é algo ruim! Na verdade, isso é algo ótimo, porque assim podemos passar pela experiência de transformar o que foi criado até então em algo melhor, em algo mais positivo, através da simplicidade de ver as coisas com um olhar mais positivo, gerando uma experiência positiva e (em certo período de tempo) atraindo circunstâncias físicas positivas.

A “armadilha” que muitos caem (que não é bem uma armadilha, é mais uma falta de clareza sobre como a realidade funciona), é a de acreditar que porque as coisas estão negativas atualmente em várias áreas do globo — escravidão, sofrimento, fome, miséria, tortura, ganância, poluição, etc — significa que as coisas SÃO negativas.

MAS AS COISAS SÃO NEUTRAS!

E lembra no começo do texto? O fato de as coisas serem NATURALMENTE neutras, faz com que elas possam atender tanto um significado positivo quanto um significado negativo.

Então, para transformar a negatividade dos nossos antepassados (ou Karma, se você preferir chamar assim) nós precisamos RETOMAR o poder de dar o significado que NÓS preferimos para a realidade, e não agir como se a realidade tivesse, de fato, um significado embutido:

PORQUE ATÉ QUANDO NÓS ACREDITARMOS QUE A REALIDADE NEUTRA TEM UM SIGNIFICADO EMBUTIDO, ESTAREMOS DANDO A ELA ESSE SIGNIFICADO!

E aí você vai me perguntar: ok, mas e quando eu não consigo dar um significado positivo para a realidade? Quando as coisas simplesmente parecem não ter outro jeito?

Você começa a entrar na jornada de introspecção, de autoconhecimento. Nós temos MUITAS CRENÇAS NEGATIVAS que aprendemos com a sociedade e ainda carregamos inconscientemente. E tudo bem. O ponto é que a ‘cura’ para a inconsciência, é a consciência. Então esteja sempre aberto/aberta para descobrir mais sobre o que você está carregando de cargas culturais. Quanto mais você tem essa intenção, mais as respostas, naturalmente e no tempo certo, vão surgindo, e mais você vai percebendo que é um criador natural, totalmente conectado e amado pela existência.

Porque você é consciência, e TUDO é consciência.

( FONTE: Elainne Ourives )

Treinadora Mental e Reprogramadora de DNA

www.holococriacao.com.br