Uma Reflexão Crítica Sobre a Apropriação Cultural

Apropriação cultural não existe e eu posso provar. Não é uma questão de ignorar conclusões, mas sim de refutar premissas erradas e que não se sustentam na realidade e aí sim desconsiderar as conclusões porque elas simplesmente não fazem sentido. Antes de ficar conjecturando e especulando sobre processos sócio-históricos e não sei o que mais, verifique suas premissas. Vou dividir esta crítica em quatro partes: definição de cultura, definições de apropriação cultural, definições de propriedade e o porquê de cultura não poder ser apropriada.

Definição de Cultura

Para definir cultura, vou me utilizar da definição exposta por Rafael José dos Santos no seu livro Antropologia Para Quem Não Vai Ser Antropólogo, extraída de Laraia:

“a cultura é o conjunto dos comportamentos, saberes e saber-fazer característicos de um grupo humano ou de uma sociedade dada, sendo estas atividades adquiridas através de um processo de aprendizagem, e transmitidas ao conjunto de seus membros”.

Apesar de ser um conjunto de elementos característicos de um grupo humano ou sociedade, a cultura não se limita apenas a eles, como Alves a certo ponto de seu texto observou.

Definições de Apropriação Cultural

Peguei a definição deste vídeo, a da Wikipedia norte-americana:

“A apropriação cultural é a adoção ou uso dos elementos de uma cultura por membros de outra cultura. A apropriação cultural, muitas vezes enquadrada como apropriação cultural, às vezes é retratada como prejudicial e é reivindicada como uma violação dos direitos coletivos de propriedade intelectual da cultura originária. Muitas vezes inevitável quando várias culturas se juntam, a apropriação cultural pode incluir o uso de tradições, alimentos, moda, símbolos, tecnologia, linguagem e músicas culturais de outras culturas sem permissão. De acordo com os críticos da prática, a apropriação cultural difere da aculturação, da assimilação ou do intercâmbio cultural na medida em que a ‘apropriação’ ou ‘apropriação indevida’ refere-se à adoção desses elementos culturais de forma colonial: os elementos são copiados de uma cultura minoritária por membros de uma cultura dominante, e esses elementos são usados ​​fora do seu contexto cultural original — às vezes mesmo contra os desejos expressamente declarados de representantes da cultura originária.”. (traduzido pelo Google Tradutor e revisado por mim).

E também a que aparece no site Significados:

“Apropriação cultural é o uso de elementos típicos de determinada cultura por pessoas pertencentes a um grupo cultural diferente. […] A partir desta interpretação, a apropriação cultural é vista como uma prática negativa, pois consiste no uso de elementos de determinada cultura sem que haja um entendimento sobre os significados simbólicos e históricos a respeito destes.”.

Definições de Propriedade

Peguei a definição deste vídeo e deste vídeo.

Por Que Cultura Não Pode Ser Apropriada?

Agora, finalmente, vou explicar porque a cultura não pode ser apropriada em três pontos:

  1. Cultura não pode ser apropriada porque apropriação pressupõe a existência de propriedade e cultura não preenche os requisitos para ser propriedade.
  2. Mesmo que fosse, a utilização de artefatos, itens, vestimentas e etc originados em uma cultura não faz a pessoa que o utiliza passar a ter a cultura em questão, pois ela não passou pelo processo de aprendizagem cultural, portanto, não houve nem mesmo o contato necessário para se “apropriar” da cultura.
  3. A significação cultural é arbitrária e subjetiva (além de fazer parte das chamadas qualidades secundárias dos pensadores de natureza empirista, como Locke e Hume), portanto, não materializada na realidade de fato. Um desenho de uma suástica pode ser utilizada para reforçar valores nazistas ou valores profundamente religiosos de origem indiana, mas na realidade, é só um signo. Eu posso desenhar uma suástica e dizer que é a visão que você tem de um polvo aleijado que gosta de fazer ângulos de 90° com seus quatro tentáculos quando olhado de cima ou, como é comum na arte pós-moderna, pintar a suástica em um quadro dizendo que é um exercício de abstração de pré-concepções e que na verdade a suástica não significa nada, tornando também a significação cultural como algo optativo.

Resumindo, a apropriação cultural é só um dos reflexos do hábito humano de querer significar tudo ao seu redor. Não há ligamento entre objeto e cultura sem significação, portanto, você pode dissociar completamente objeto de cultura ao não significá-lo e aí cultura já nem entra no meio, não há apropriação (levando aqui em conta que há algum meio de se apropriar cultura, mas como já discutido antes, não dá).

Tendo tudo isto ficado claro, de nada.

Para saber mais:

Antropologia Para Quem Não Vai Ser Antropólogo. Rafael José dos Santos. Livraria Cultura e Saraiva.

O que é cultura? Antropologicamente falando… — Ensaios e Notas. Leonardo M. Alves. Acessar.

Recomendo fortemente a observância de todos os links colocados no meu texto para entendê-lo de forma integral e inequivocada, isso inclui (obviamente) todos os textos e vídeos.