Vai ter dia das bruxas, sim. Dia do saci, também.

Há 4 anos postei o que penso dessa tentativa de transformar o 31 de outubro em “dia do saci”, pra rivalizar com uma festa obviamente importada.

Reproduzo aqui:

31 de outubro é Dia das Bruxas/ Halloween, sim.
Dia do Saci? É em 22 de agosto — pode olhar aí, Dia do Folclore Nacional!
Quer valorizar só a cultura nacional? Ok então... Esqueçam Natal com Papai Noel, esqueçam festas juninas, esqueçam Carnaval, esqueçam Ano Novo... Vai atrás de um índio então, perguntar que dia ele comemora alguma coisa e o quê é. Aí sim, você vai poder dizer que está valorizando a cultura nacional.
Fica a dica.

Complemento e ratifico com o que escrevi hoje:

Não faz sentido criar um dia que já existe em outro dia, não concorda?
Valorizar a cultura nacional? Devemos, claro! Mas ser contra importar cultura de fora é o mesmo que querer rechaçar carnaval, Natal, Ano Novo, festa junina... Tudo isso também veio de fora. Vai querer tirar também?

O mundo é feito de pluralidades. Nós somos todos um apanhado das culturas com as quais nos identificamos, sejam elas de onde forem. E é isso o que é tão legal de ver num mundo globalizado!

De nacionais mesmo, no Brasil, só os índios e olhe lá! Por quê? Porque somos um país recente, com só 500 anos de história, ainda estamos em construção.

Achar que impedir uma óbvia vontade de comemorar o dia das bruxas (importado ou não), enfiando o saci goela abaixo no dia de hoje, não vai fazer com que as lendas e folclores brasileiros sejam mais valorizados.

Vai ter dia das bruxas, sim. Vai ter dia do saci também (já teve, foi em agosto, estamos em outubro).

Se quer valorizar o que o país tem de bom, o que você busca quando quer ler histórias fantásticas? Quais lendas brasileiras sabe de cabeça? O que você posta nas redes sociais em 22 de agosto pra mostrar todo esse orgulho de dizer que existe um dia do saci? (Até porque agora existem 2, né? Aff...)

E, olha, pra fechar o raciocínio: vale dizer que tanto bruxas quanto sacis estão rolando de rir de toda essa “birrinha nacionalista” criada no dia de hoje, já que é exatamente caos e confusão que eles querem mesmo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Anderson Pereira’s story.