Eu te prometo meu filho

Que quando você fizer birra, se jogar no chão, gritar e espernear, eu vou sentar junto, gritar e chorar até você ter vergonha de mim.

Que vou te ensinar a ser um homem decente, a respeitar as mina, os mano, os bicho.

Que não vou colocar nada pendurado na sua cabeça, faixa, lenço, boné a não ser que tenha uma função além “bonitinho”.

Que se alguém tem maltratar eu vou subir na tamanca, virar na baiana e EPAAAAAAAAAAA que filho meu ninguém trata assim.

Que vou te levar de branco pro terreiro, deixar você rolar no chão, cumprimentar os guias, dançar com os orixás e que se você quiser ir conhecer outra religião eu vou te apoiar.

Que não vou te chamar de príncipe e reizinho, vou te chamar de filho, de pirralho, de bebê, de filhote.

Que eu vou te dar o peito na hora que você quiser e que você não vai morrer chorando no berço porque “tem que ter disciplina desde cedo”.

Que você não vai ser guri de apartamento, andando de joelheira no carpete.

Que não vou achar que você é meu, vou te criar pro mundo pra você não sair achando que a vida é torta.

Que você vai ouvir muitos nãos. E alguns sins.

Que eu vou tentar que você se alimente bem e tenha a consciência sobre os animais, mas quando você tiver idade e noção suficientes, eu não vou te proibir de nada.

Que eu vou te acompanhar nos livros, nos esportes, nas brincadeiras e nas broncas.

Que eu vou tentar dar meu melhor e que prometo fazer novos erros e não os que eu já aprendi.

Que você vai dormir de conchinha com gatos.

Que eu vou te deixar comer batata frita contando que você não conte pra ninguém da nossa traquinagem.

Que teremos segredinhos só nossos e que deixaremos seu pai morrendo de ciúmes.

Que eu não vou ter mais nenhum filho, a não ser que um dia você me peça um irmão(a), aí nesse caso vou providenciar rapidamente.

Que eu vou te envergonhar com as minhas roupas e também que vou te orgulhar por algum motivo besta.

Que eu vou ter um chilique quando você falar em piercing e tatuagem, independente da quantidade de furos e riscos que eu tenha pelo corpo.

Que eu vou ouvir os outros pra te criar, mas que vou fazer só aquilo que meu coração mandar.

Que eu não vou te dar chupeta simplesmente porque estou pensando na economia que vou ter de dinheiro e você de dor pra usar aparelho.

Que eu vou falar que vou fazer tudo isso e se de repente eu achar melhor, vou fazer tudo exatamente ao contrário.

Bem vindo, pirralho que eu mal conheço e já te considero e te amo pacas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.