caminhos

A vida é um negócio bem doido, na verdade. Quando a gente acha que finalmente encontrou o nosso lugar no mundo, essa fase acaba. Um novo ciclo começa. A gente fica perdido, atordoado, onde é que eu tô, será que eu tô na lagoinha? É. Bem assim. Perdidos e sem 3G. A vida é assim, um constante recomeço. Eu já me perdi e já me encontrei mil vezes no último mês. A vida é feita disso. A gente se perde, se encontra, quando começa a desfazer as malas, puf, estamos em um novo caminho. Ontem, eu pensava que tinha tal opinião sobre tal assunto. Hoje, penso totalmente diferente. Amanhã, posso voltar ao pensamento original. Sabe por quê? Porque a gente vive essa vida em busca de viver, de saber, de conhecer e de ter algo em que acreditar e pelo qual lutar. E, a gente é livre. A gente é aberto. A gente é solto feito passarinho e, ainda bem, temos um ninho ao qual podemos sempre retornar quando as coisas parecerem complicadas demais. E isso é legal, é importante. Quando eu tiver 90 anos, serei muito mais feliz ao olhar para trás e ver que eu testei todos os caminhos, que eu me abri para ouvir o que o outro tinha a dizer, mesmo que fosse algo totalmente contrário ao que eu pensava. Porque, assim, eu ampliei o meu conhecimento. Se eu sempre ter a mesma ideia, pra sempre, vou morrer burra, desinformada e infeliz. Mas, se eu estar disposta a falar menos, ouvir mais, tentar entender o outro lado, o que está se passando com outras pessoas…. Aí sim, eu saberei que estou vivendo plenamente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.