Mais uma sobre ela

Ela tem tanto medo de que
eu vá embora
Nem percebe que
sou eu quem conto as horas
driblo a ensiedade
pego o ônibus,
atravesso a cidade
num mar de poeira densa
só para ver o seu sorriso
que me espera atento
não importa o dia,
não importa o tempo.

Ela teme tanto que
um dia eu diga adeus
Que eu vá embora no banco
de carona dum tal Matheus
ou José, Sandra, Mônica ou Ricardo,
tantos nomes, tanto faz
como dizer a ela que só ao seu lado
eu sinto paz?

Ela pensa quase sempre 
que logo vou achar meu rumo
rumo que a ela não pertence
como se existisse em meu mundo
uma luz que não a dela
que emana dos cabelos cor de areia
brilhando no maxilar mais lindo que já vi
ofuscando qualquer beleza alheia
com seus olhos de jabuti
se isso é bonito ou poético, não sei
mas eu precisava rimar, e rimei.

Ela diz em todo momento
que logo logo eu vou me mandar
vou sair a procurar
em outro alguém um outro dengo
como dizer a ela que
mesmo se eu viajasse
a 60 países, até no Iraque
e procurasse, de sol em sol
outro alguém, eu só
encontraria só cinzas comparadas
a sua cor delirante, cor de aquarela
todos me pareceriam tão ruins, tão errantes
tão errados, tão entediantes

Ela acredita que eu vá buscar
alguém mais resolvido
mas tudo o que eu poderia amar
está em seu coração partido
que há um ano venho consertando
e ela ao meu, decorando
para um dia
com a graça dos deuses
viver de riso e alegria
onde antes só havia dor
tapa na cara de todos que
que disseram que de amor
nunca iríamos viver

e como dizer a ela que eu só quero
uma manhã, um edredom e um cafuné,
quem sabe até um café,
suas pernas entrelaçadas nas minhas,
seus braços em torno de mim,
como falar que eu a quero todos os dias
até que meus dias cheguem ao fim?

E, quando tudo se acabar,
seja com o diabo ou com Alá
meu único desejo ainda vai ser
poder sonhar com seu sorriso em todo,
e em cada,
amanhecer

Mas como ela ainda poderá
ter medo de que eu me vá
e do meu amor duvidar
se todas as minhas poesias
se todas as minhas rimas 
são para lhe decorar
a alma, os passos, a vida

Mais uma de amor
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.