engraçado né? engraçado como a gente nunca conta com todas as coisas que vão passar pela nossa vida e nos transformar. na verdade, o próprio “depois-de-alguém” já é algo que altera, sabe? porque modifica nosso ser de alguma forma. e por exemplo, o que tivemos, mexeu comigo. afinal, pensei piamente que duraríamos mais que um mês e meio e de repente, tudo desmorona. mas tudo bem. não é nossa culpa. nesse tempo em que escrevo essas palavras, você não é mais o mesmo, muito menos eu sou a mesma pessoa de antes. então acredito que acontecemos exatamente no momento em que deveríamos, nada daquela ideia de espaço e tempo errados. só não sei se duramos o tempo que deveríamos. porque eu acho que apesar das coisas se alinharem num instante certo, elas duram o tempo que nos esforçamos e nos dedicamos, ou seja, o quanto é preciso dos dois pra fazê-las perpetuarem. você me disse que andava estressado e isso nos tornava efêmeros. não acreditei. e me desculpa, mas pareceu desculpa. porém, eu não poderia te pedir pra ficar, jamais. eu não poderia te dar motivos para você não ir, nunca. te liberto, e me liberto. e se a gente se esbarrar por aí, cara, a gente perde e ganha tanto de nós mesmos no decorrer da sobrevivência (ou será vivência), que talvez a gente nem se reconheça mais.

anna
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.