O dia amanheceu apressado. O sujeito abriu a janela e já sabia que o mundo de sempre estava lá, acontecendo: O rapaz misterioso assentado do lado esquerdo da calçada observando os carros passarem, enquanto a senhora abria as portas da farmácia. Por essa hora, ele deveria estar atravessando os portões para mais um dia cinza, mas estava atrasado, o que não era nenhuma novidade.

Tudo corria dentro da normalidade, até que alguém decidiu ser o desvio padrão desse mundo de sempre lá pelas dez da manhã e enquanto o dia se fazia, enviava recados ao sujeito narrando o acontecido.

O sujeito atrasado, no entanto, não podia tirar meia hora sequer para qualquer outro afazer. É que pelo o entardecer, ritualmente, ele marcava done ao lados das atividades listadas em seu celular, respirava fundo e preparava o jantar.

O fim do dia chegou e o tal sujeito sabia o que deveria fazer, pois já não aguentava mais tantos recados insistentes. Correu para a frente do espelho e leu as palavras para ele destinadas. Silêncio. Depois uma música. Depois silêncio de novo. E aí uma outra música. E depois silêncio. A verdade é que ele não sabia como reagir diante de tal situação. — O que fazer? Devo responder? Não…Amanhã já esqueci e seguirei. Não é importante.

Não demorou muito e ele, ainda estacionado naquela posição, endereçava um papel verde, sem linhas e com letras azuis, que dizia:

Senhor alguém-desvio,
Vá logo me perdoando, pois sou um sujeito sem palavras. É que nunca sei muito bem o que dizer. Quero dizer, nunca sei muito bem como dizer. Eu tenho medo. Por vezes achei que estava sendo perseguido por ti e esse mistério pareceu ofuscar meu céu durante todo o dia. Embora outras vezes achei que estas tuas palavras poderiam ampliar o horizonte. Estou confuso. A vida é mesmo essa oscilação. Amor tem mais a ver com tempo e sacrifício do que qualquer outra coisa. Dói, cansa, mas faz sorrir. Me perdoe se não respondi mais cedo. Fiquei em silêncio para ouvir a tua voz mais um pouco. Mas quando assim for, apareça na minha janela bem cedinho. Quem sabe algum dia quando amanhecer, o mundo de sempre esteja surpreendente?
Boa noite!