Marketing Digital e a Consciência de Marca

O desafio do dia é escolher uma campanha de Marketing criativa ou de sucesso da qual eu goste, e falar sobre a história que está sendo contada pela campanha e os motivos de ter a escolhido.

Desde quando eu me entendo por gente, por mulher, e principalmente, por ser-consumidor, as publicidades e anúncios voltadas para esse público-alvo seguem um padrão: nada de esportes radicais, nada de movimentos bruscos, apenas mulheres fazendo “coisas de mulheres” e todas as publicidades não fogem desse tema.

Claro, sendo a abordagem publicitária “padrão”, é também a mais segura. Ninguém ousa mudar pois pode correr o risco de não agradar, e, enquanto estiver dando certo, para os publicitários está tudo bem.

E se alguém resolver ousar? E se mudassem completamente o foco e o padrão de publicidades para mulheres? Foi o que fez a marca de absorventes britânica com essa propaganda que escolhi (ao lado).

O vídeo foi postado no YouTube em 2016, e, de lá pra cá, arrecadou mais de 2 milhões de visualizações e incontáveis compartilhamentos, e isso levando em conta apenas no canal do YouTube, excluindo as outras redes sociais da marca.

A história gira em torno de várias mulheres praticando os mais variados esportes, todas elas com machucados, ralados, contusões, lesões, mas que não pararam por isso, continuaram mesmo sangrando. Ao final, a mensagem transmitida na história do vídeo, aparece na tela: “no blood should hold us back”, ou em uma tradução aproximada, “nenhum sangue deveria nos segurar”. E é isso que mais chama atenção no anúncio: com pouco mais de um minuto e nenhum diálogo, apenas imagens, o vídeo consegue passar um apelo sentimental enorme, tocando milhares de mulheres de várias culturas e idiomas diferentes.

O sucesso que fez o vídeo e a rapidez com que foi compartilhado, falando nos termos de marketing, diretamente trabalham com a jornada do consumidor. A todo momento e em todos os 1 minuto e 23 segundos de vídeo, ele dialoga com os detalhes sensoriais de quem está assistindo, principalmente do público-alvo, produzindo motivação e emoção, além de quebrar paradigmas, o que leva ao objetivo final: o compartilhamento.

Mesmo tendo sido feito somente para o público-alvo daquela região, o apelo fez a marca ser conhecida mundialmente, o que é essencial na construção de consciência de marca, e desde então, foi a maior inovação que já presenciei na publicidade voltada para o público feminino.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.