Eu tô cansada de conforto

Hoje desejei não voltar pra casa.

Desejei ser útil, e ser útil é não voltar pra casa.

Estar em casa se tornou o meu pior martírio porque é meu maior conforto

Que se tornou desconforto.

O conforto me desagrada. Não me supre.

Quisera eu nunca mais voltar pra casa

Quis ser uma dessas pessoas que passam o dia inteiro vivendo

Respirando

Estudando

Me chateando com filas de banco

Sentada lendo um livro

Escrevendo

Eu perdi o prazer dessas coisas

Mas não há prazer em apenas existir

Entre quatro paredes

Deitada, olhando pro teto, existindo.

Sem ver os passarinhos, sem perder os ônibus, sem quebrar a cabeça com cálculos de eletromagnetismo e fluxo de massa.

São coisas que são tão ruins

Mas são tão boas

Que eu sinto falta.

Amanhã eu vou levantar

Amanhã eu vou ver o sol

Amanhã eu vou brigar pela vida

Porque eu tô cansada de conforto.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.