Solidão demais faz mal a saúde

Estava eu em casa, assistindo a uma palestra do TED do Robert Waldinger sobre o que faz as pessoas felizes e saudáveis durante a vida. Ele fez parte de um estudo que durou cerca de 75 anos com mais de 700 homens, os acompanhando, ano a ano, fazendo perguntas gerais sobre suas vidas.

O que eles aprenderam com esse estudo?

O estudo de 75 anos acabou resultando numa conclusão que não é surpreendente pra mim e provavelmente nem pra você.

“Good relationships keep us happier and healthier.”

Waldinger diz que de acordo com o estudo, a solidão mata. Pessoas que possuem conexões próximas com família, amigos e com a comunidade vivem mais e são mais saudáveis.

Essa semana eu conversava com uma pessoa a respeito de eu não ter mais companheiros de jornada. As pessoas que fazem a vida ter algum sentido e que fazem a vida ser menos dolorosa, apenas por você saber que elas estão ali pra você, no matter what. Não se trata da quantidade e sim da qualidade de parceiros que você colhe pelo caminho. Não falo de um parceiro, namorado, esposo, falo de amigos também. Eu não tenho tido muita sorte nessa parte.

Interessante que Waldinger complementa que os relacionamentos não precisam ser perfeitos, que as pessoas do estudo não possuem relações irreais, cheias de arco-íris e idealizadas. Mas que a idéia de que mesmo com todas as complicações, brigas e dificuldades, você tem alguém pra te apoiar, que te segura quando você cai, é reconfortante e torna realmente a vida muito mais fácil.

Hoje faz quase uma semana que eu não saio de casa. Faz quase uma semana que eu não troco 5 palavras com algum ser humano ou que escuto o som da minha voz. Moro a 800m da praia, quis sair pra dar uma corrida e não consegui. Quis me forçar mas não me motivei. Eu costumo me isolar o tempo todo e costumava achar que isso não era um problema, muito pelo contrário, sempre vi conforto nisso, muitas vezes. Mas eu cheguei num extremo, pois esses dias eu quase surtei.

A solidão é um veneno quando em excesso. A gente precisa aprender que existe limite pra tudo e que não somos indestrutíveis. Estamos todos suscetíveis à rancores mal direcionados da família e de amigos, não adianta. O que se pode fazer é lidar com os seus e seguir o seu caminho, afinal o mundo não se acabou e existe muita gente boa por aí.

Encerro com uma citação belíssima do Mark Twain compartilhada pelo Waldinger:

“There isn’t time, so brief is life, for bickerings, apologies, heartburnings, callings to account. There is only time for loving, and but an instant, so to speak, for that.”
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Annie Evelyn’s story.