Canções

Teve uma época em minha vida que quando procurava inspiração, escutava Adriana Calcanhotto. No dia em que fui mais feliz… Eu ainda escuto, mas agora em todas as ocasiões. Principalmente agora, com essa chuvinha fininha passeando pelo meu quintal. Dando olá para as árvores, fazendo carinho no concreto que é o chão. Deve ser a serenata mais bonita que já ouvi, desse céu derramando sinfonia.

Hoje o céu não escureceu. De dentro do meu quarto consigo vê-lo nessa cor característica de dias chuvosos. O sol não apareceu, a lua não apareceu, a escuridão não apareceu. Dias nublados iluminam mais os becos que o luar. Cariocas não gostam de dias nublados.

E bate uma falta… outro traço característico desses dias: pele sob pele. Calor sob calor. Almas distintas, envoltos apenas por aquilo que nós chamamos de amor. Escrevendo essas linhas, procurei um sinônimo para amor. Existem mais mensagens sobre amor do que sua definição e significados. Mas pra quê precisamos de sua definição e significados? Não existe sinônimo para amor. O amor é auto suficiente. Espero ter a vivência de presenciá-lo alguma vez. Uma única vez… onde será que você está agora?

E tem essa árvore que me observa todas as noites. Suas folhas me acompanham madrugadas a dentro, o farfalhar de seus galhos são minhas cantigas preferidas. Sua sombra está projetada em minha parede, em minha cama, em mim. Então a música para. Começa outra. E penso: pra que é que serve uma poesia como essa?

-Anninha

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Anninha’s story.