Seja Avesso ao Radicalismo, ou seja um meio termo.

Hoje posso te dizer, que com meus convictos vinte e três, quase vinte e quatro anos, sou avesso a qualquer tipo de radicalismo.

É estranho, mas a cada dia que passa percebo que o mundo é mais cinza do que parece, consigo ouvir quaisquer que sejam as abordagens sobre alguns assuntos e dizer que por mais que seja errado, ou ao menos diferente, que cause ojeriza ou fanatismo, merece ser discutido e nunca seguido a risca os 100%.

Se você me perguntar se sou contra o Nazismo, posso dizer com convicção que sim. Mas não sei ao certo que nome se dá, a semente que fica na minha cabeça se você me perguntasse:

-Devemos exterminar o nazismo do mundo?

Bom, aí parece que tem uma cilada, Bino! Existem estudos que abordam exercícios de manipulação, do uso das palavras pra convencer outras pessoas e tal, mas a verdade é que por mais “soft” que isso me seja perguntado, parece que se assumo uma posição haverá coisas importantes que poderão ser perdidas, quaisquer outros assuntos que inspirem um ponto definitivo, fazem crescer ainda mais essa semente na minha cabeça que diz:

será mesmo que tem que ser assim?

É a mesma ideia de que virtude encontra-se justamente no meio da linha que liga um ponto a outro.

Talvez a semente na cabeça seja o medo, o precipício entre o pensar e o praticar. Verdade seja dita, acho que esse dilema me acompanha a um bom tempo. Não acredito que seja o motivo para que eu tenha me abstido em diversas situações de fazer a diferença, afinal, tiveram outros momentos em que eu apontei com convicção o dedo para criticar ou exerci forte ação para mudança de algo.

Sabe a ideia de Escolher um lado? Então, me parece que hoje em dia, não existe mais os dois lados de um muro. No final das contas, a gente pula, de um muro para o outro. É como pular de ponte em ponte, mas nunca chegar a nenhum de ambos os lados, tudo é tão cinza e dúbio.

O que proponho é o cuidado com quaisquer afirmações, que possam ser discutidas e debatidas. Buscar e exercitar um exercício simples: tente defender um ponto de vista do qual você discorda, e se esforce pra isso. Vá desenvolvendo esse habito sempre que estiver em uma discussão, ou lendo sobre um assunto, ou discutindo em uma mesa de bar porque tal cerveja é melhor que outra. Aplique esse exercício até mesmo para questionar algo que você já tem definido pra si.

Pra você pular de um muro para o outro, você precisa conhecer ao menos o que separa uma parede da outra.

Nota: Bom, aprendi ainda num cursinho pré-vestibular, sobre a ideia central de apresentar um texto contundente: Nele deveria constar sua introdução com a problemática e assuntos a serem discorridos ao longo do texto. Teríamos o desenvolvimento o qual é parte de apresentação dos argumentos que confirmam ou discordam da problemática, com ou sem a emissão da sua opinião. E na conclusão, deveríamos apresentar o reflexo de tudo que discutimos e as respostas que chegamos, quando houvesse. Fato é, isso foi só um desabafo, e revelação de uma ideia que tenho na minha cabeça hoje, mas que pode mudar amanhã.