Infância

Ele era apenas um galhinho
Quando o vi pela primeira vez
Tinha poucas, mas fortes raízes
Com quatro folhinhas ou três.

Plantei-o no meio do canteiro
Com terra preta, serragem e amor
Cresceu bem acima do limoeiro
Deu-me seu abacate — o melhor!

Foram tantas as tardes felizes
Eu o escalava pelo parreiral
Seus galhos me acolhiam cuidadosos
Eu era a dona daquele quintal!

Espiava as pessoas caminhando
E o sabiá em seus galhos pousar
Sentada, via o sol ir se pondo
Antes de me despedir e o abraçar.

14/10/2014