Beyond Eyes

Enxergando o mundo de uma forma diferente

Durante os dias 16 à 18 de junho aconteceu em Los Angeles a Electronic Entertainment Expo, ou apenas E3. Uma das maiores — se não a maior — feira de jogos eletrônicos do mundo. As grandes produtoras utilizam a E3 para fazer seus maiores anúncios do ano, muitos jogos novos são anunciados primeiro por lá.

Ao lado de jogos como Uncharted 4: A Thief’s End, Halo 5: Guardians e Star Fox Zero, um pequeno jogo chamado Beyond Eyes me chamou bastante atenção.


“Uma menina cega enfrenta sua ansiedade e sai em uma jornada para encontrar seu único amigo, cercada por um mundo invisível cheio de vida à espera de ser revelado.”

Em 2014, Sherida Halatoe da tiger & squid se juntou a Team17 (responsável por jogos como Worms) para lançar Beyond Eyes para os consoles e computadores em 2015.

O conceito de Beyond Eyes é muito interessante. Rae é a personagem jogável, uma garota de 10 anos que é cega e decide sair em uma pequena aventura para encontrar o seu gatinho. A premissa é bem simples, mas o fato de utilizar a deficiência visual como uma mecânica de jogo faz a experiencia de Beyond Eyes ser totalmente diferente.

Você assume o controle da pequena Rae e conforme movimenta a personagem, o cenário vai sendo criado como se fosse a visão da Rae, mas gerada pela imaginação e utilização dos outros sentidos. Ou seja, você enxerga o que a personagem está percebendo, de uma forma bem colorida e bonita. Um visual que lembra aquarelas.

TRAILER:

Eu imagino como seria interessante utilizar esse conceito em aula de ensino fundamental, por exemplo. Uma boa forma de professores demonstrarem para crianças como uma criança cega enxerga o mundo. Além de parecer ser um exercício criativo bem interessante.

Beyond Eyes será lançado ainda em 2015, mas ainda sem uma data definida. Eu fiquei muito curioso para jogar. O que você achou da proposta do jogo, diga nos comentários.

Gostou? então compartilhe com seus amigos no Facebook e recomende aqui no Medium. Eu sou o Washington Dutra (@umtaldedutra) e também escrevo no Nerd Marombeiro e no blog +DUTRA.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.