‘STAR WARS IV — UMA NOVA ESPERANÇA’ E A JORNADA DO HERÓI

O Monomito, ou A Jornada do Herói, é uma jornada cíclica que o herói passa na maioria das histórias. Antes mesmo do termo ter sido criado por Joseph Campbell em seu livro ‘O Herói de Mil Faces’, elementos do Monomito já estavam presentes em muitas histórias, como a lenda do Rei Arthur. E depois do termo, e o conceito propriamente dito, ficarem famosos, passou a ser referência na criação de histórias de fantasia, e foi a maior inspiração para uma das maiores sagas da história da cultura pop: Star Wars.

Capa da edição comemorativa do livro ‘O Herói de Mil Faces’, de Joseph Campbell.

E exatamente disso que se trata essa publicação. É uma releitura do primeiro filme da saga, Star Wars (1977), levando em consideração a estrutura do Monomito.

As fases do Monomito são: Mundo Comum; Chamado à Aventura; Recusa do Chamado; Encontro com Mentor (ou Ajuda Sobrenatural); Travessia do Primeiro Limiar; O Ventre da Baleia; Aproximação da Caverna Oculta; Provação Suprema; Recompensa; Caminho de Volta; Ressurreição e Retorno com o Elixir. Star Wars é perfeito para ser usado como exemplo da Jornada do Herói pois apresenta TODAS ESSAS ETAPAS. Agora, sem mais delongas, vamos à comparação:

Mundo comum

Luke Skywalker em Tatooine

No filme há mais de um protagonista. Temos Leia; Luke; Han; Obi-Wan (há controvérsias) e até mesmo o fiel companheiro de Han, Chewbacca, e os famosos dróides R2-D2 e C-3PO. Mas sem dúvidas, o primeiro a assumir um arquétipo de herói é Luke, que dá início ao ciclo tradicional descrito por Joseph Campbell.

O “Mundo Comum” de Luke é Tatooine, seu planeta-natal entediante do qual ele sonha ir embora. Lá, vemos Luke pedindo ao seu tio permissão para entrar na Academia Imperial, e vemos também seu tio recusar. A frustração do Luke é evidente.

Tudo muda com a chegada dos dois dróides R2-D2 e C-3PO, que seu tio compra. Ao R2-D2 reproduzir a mensagem de uma mulher misteriosa pedindo ajuda de um tal Obi-Wan Kenobi, Luke fica intrigado.

Encontro com o mentor (ou ajuda sobrenatural)

Depois que o dróide resolve partir para encontrar Obi-Wan e lhe entregar a mensagem, Luke o segue, e acaba em apuros, mas acaba sendo socorrido pelo próprio Obi-Wan, que é um velho conhecido nas redondezas como Ben.

Luke descobre mais sobre Obi-Wan. Ele é membro de uma antiga ordem que esteve presente nas Guerras Clônicas, e que foi dissolvida há muito tempo com o nascimento do Império. Obi-Wan revela que conheceu seu pai, e diz que ele foi morto por um jedi que se rebelou. Ele entrega o sabre de luz do seu pai, uma arma semelhante a uma espada laser, e eles assistem à mensagem de R2-D2 por inteira.

Obss: no esquema tradicional da Jornada do Herói, o “encontro com o mentor” vem após a “recusa do chamado”, e é o impulso que o herói precisa para finalmente embarcar na aventura. Mas em Star Wars, como podemos ver, ele ocorre antes mesmo do “chamado à aventura”, e o que impulsiona Luke a entrar em sua jornada está entre a “recusa ao chamado” e a “travessia do primeiro limiar”.

Chamado à aventura

Lule vendo a mensagem holográfica de Leia, sendo reproduzida por R2-D2

A mulher é Leia Organa, princesa de Alderaan e parte importante da Aliança Rebelde, uma espécie de resistência contra o Império. Ela pede para que Obi-Wan entregue o dróide, que possui documentos importantes que podem ser usados contra o Império (mais precisamente falando, os planos da Estrela da Morte, estação bélica Imperial). Ele convida que Luke para ir junto com ele, o que dá início à etapa seguinte.

Recusa ao chamado

Luke se depara com seus tios mortos, em Tatooine

Luke recusa o convite, por motivos óbvios. Seu tio Owen jamais permitira tal coisa, e nem ele mesmo sabe se está pronto para algo do tipo. Apesar disso, ele propõe levar Obi-Wan para a Central de Dados, onde ele poderia conseguir um transporte para Mos Eisley.

No caminho, eles encontram um transporte jawa fuzilado, junto com alguns corpos dessa espécie sucateira típica de Tatooine. Luke e Obi-Wan descem do pod onde estão para investigar, e Obi-Wan conclui que o Império foi responsável pelo ocorrido.

"E esses pontos de impacto são muito exatos para o Povo da Areia, somente as tropas imperiais são tão precisas.” — Obi-Wan Kenobi.

Logo eles entendem o que está acontecendo: o Império está procurando por R2-D2, e chegaram aos Jawas, que tinham capturado o dróide junto com seu parceiro, C-3PO, e vendido aos tios de Luke. Dito isso, o próximo passo seria os próprios tios de Luke, que agora toma noção do perigo.

Apesar de Obi-Wan aconselhar o contrário, Luke corre para a fazenda dos tios e encontra os dois mortos. Triste e frustrado, ele volta a Obi-Wan e finalmente aceita levar o dróide para Alderaan junto com ele. O fato de seus tios terem morrido faz com que Luke não tenha nenhum motivo para continuar sua vida pacata na fazenda, e o ódio que ele toma do Império também é um fator importante.

Travessia do primeiro limiar

Entrada da icônica Cantina de Mos Eisley, Tatooine

Muita coisa acontece depois que ele resolve partir. Primeiro, eles passam por uma breve briga com um alienígena encrenqueiro na Cantina de Mos Eisley, onde procuram por um piloto que os leve até Alderaan. Enfim eles conhecem Han Solo, capitão da Millenium Falcon, sua nave, e seu fiel companheiro Chewbacca.

A “travessia do primeiro limiar”, ou seja, a primeira provação que o grupo passa é, sem dúvidas, quando eles são detectados pelos stormtroopers. Os agentes do Império o encontram um pouco antes de partirem para Alderaan — isso depois de Han ter lidado com seu ex-chefe, o mafioso Jabba, a quem ele deve dinheiro — e eles precisam escapar antes de serem mortos pelos imperiais, que farão de tudo para recuperar os planos da Estrela da Morte presentes no dróide. Após isso, eles enfim partem para Alderaan.

Durante a viagem, Luke treina suas habilidades jedis e aprende mais sobre a Força, um campo de energia místico que cerca tudo e todos, e que dá habilidades especiais aos que são sensitivos a ela — é, como descobriu ainda em Tatooine por Obi-Wan, o caso de Luke.

Quando finalmente chegam ao que seria o planeta, descobrem que não há nada ali além de uma tempestade de meteoros. O PLANETA SIMPLESMENTE SUMIU, ou, como descobririam mais tarde: foi destruído pela Estrela da Morte.

Falando nela, a Millenium Falcon é, de alguma forma, sugada para perto do que se revela ser a própria Estrela da Morte. A tecnologia chamada de “raio trator”, atrai as naves para si, impedindo-as de fugir. Esse acontecimento nos leva para a próxima etapa…

No ventre da baleia

Obi-Wan desativando o raio-trator

Luke, um garoto das fazendas do planeta desértico Tatooine; Obi-Wan, um velho veterano de guerra dotado de poderes místicos; Han Solo e Chewbacca, dois mercenários pilotos de uma lata-velha e dois dróides inofensivos. Os seis agora estão em uma nave presa na maior estação espacial que já existiu, do tamanho de uma lua, e cheia de agentes do Império.

O nome dessa fase da Jornada do Herói, “no ventre da baleia”, faz uma clara referência ao momento em que uma baleia engole Pinóquio no conto clássico, e ele fica preso sem ter a menor ideia de como sair. É basicamente isso que acontece com o grupo.

Com sorte, eles conseguem sair da nave despercebidos, usando disfarces. Obi-Wan se encarrega de explorar a estação especial em busca de um jeito de desativar o raio-trator, enquanto isso Luke descobre que a princesa Leia, autora da mensagem para Obi-Wan reproduzida por R2-D2, está presa lá dentro. Com muito esforço, ele convence Han a ir com ele, e logo o grupo — com exceção de Obi-Wan — está procurando pela princesa Leia.

Aproximação da caverna oculta

Luke; Leia; Han e Chewbacca nos corredores da Estrela da Morte

Agora a Jornada do Herói se divide em duas partes. Desde o início do filme já existem três tramas paralelas: a visão do Império sobre o que está acontecendo; a de Luke; e a de Leia. Mas até agora A Jornada do Herói só se aplicava a Luke ou aos momentos em que ele estava presente. Mas agora a trama está dividida em duas, e em grande parte, Luke estará em apenas uma delas.

Enquanto Luke, Han e Chewie encontram Leia e tentam resgatá-la, Obi-Wan tenta desativar o raio-trator, e ambos conseguem. Após passar por um aperto em um compactador de lixo, o trio escapa com a ajuda dos dróides R2-D2 e C-3PO, e tentam chegar vivos até a Millenium Falcon, que agora pode partir com o raio-trator desativado. Eles ainda não reencontraram Obi-Wan, mas estão indo em direção a nave finalmente, e é ai que vemos o mestre jedi se encontrando seu seu antigo aprendiz: Darth Vader.

Provação suprema

Obi-Wan e Darth Vader duelam com seus sabres de luz, sendo observados por stormtroopers

A caminho da nave, eles vêem quando um grupo de stormtroopers se distraem observando algo. Era a luta de Obi-Wan e Darth Vader, que travam um duelo à moda antiga, com sabres de luz. O trio, acompanhado dos dróides, param o que estão fazendo para ver a luta.

Sem dúvidas o protagonista dessa fase da Jornada do Herói é Obi-Wan. É ele quem assume o arquétipo de herói, após se separar do grupo “no ventre da baleia”, ajudá-los na “aproximação da caverna oculta” desativando o raio-trator, enfim ele tem sua “provação final”.

“Estava esperando por você, Obi-Wan, tornamos a nos encontrar. O círculo agora está completo: quando o deixei era apenas um aprendiz, agora EU sou o mestre.” — Darth Vader

Como se sabe, o objetivo de um duelo é vencer. Mas como Obi-Wan diz: “se você me atingir eu me tornarei mais poderoso do que é capaz de imaginar”. E assim foi. Ao ver Luke, ele percebe que a melhor alternativa seria deixar que Vader vencesse, e o motivo disso descobriremos mais tarde. Assim, a provação final é concluída: Obi-Wan se sacrifica após ter desligado o raio-trator, e o grupo consegue escapar na Millenium Falcon, eliminando algumas naves imperiais (Tie-Fighters) no caminho.

Caminho de volta e retorno com o elixir

Base rebelde improvisada em templo do planeta Yavin 4.

A fase “recompensa” em Star Wars vem na conclusão do filme, ao contrário do sistema básico da Jornada do Herói (a menos que a recompensa tenha sido escaparem vivos). É interessante resumir as fases “caminho de volta” e “retorno com o elixir” em um único tópico nesse caso.

Caminho de volta: Na maioria das histórias, o “caminho de volta” é quando o herói volta para o Mundo Comum, e estamos nos aproximando do fim da história. Mas Luke não tem mais nada em Tatooine, e nesse momento quem assume o arquétipo de herói é Leia, que retorna à base rebelde (apesar de que seu Mundo Comum também poderia ser o seu planeta-natal, Alderaan, que foi explodido).

Retorno com o elixir: O grupo chega, e Leia entrega os planos da Estrela da Morte presentes em R2-D2. Os superiores de Leia, entre eles General Dodonna, avaliam o esquema tático da Estrela da Morte e bolam uma estratégia para invadir a Estrela da Morte. Eles precisam ser rápidos, pois eles rastrearam a nave e Leia sabe disso, a qualquer momento eles descobrirão a localização da base e usarão o arsenal da Estrela da Morte para aniquilar a Aliança Rebelde de uma vez por todas.

Ressurreição

Esquadrão de X-Wings — inclusive a de Luke — na direção da Estrela da Morte, durante a Batalha de Yavin

Luke aceita participar do ataque, e convida Han, que recusa. Mesmo depois de tudo o que aconteceu, Han ainda parece só pensar em dinheiro, e sabe que, muito provavelmente, não vai ganhar nada arriscando a própria vida tentando destruir uma estação espacial gigante.

É interessante ver como Han parece estar passando por uma “recusa ao chamado”, o que mostra como todos os protagonistas em algum momento acabam assumindo o arquétipo de herói e passando por suas próprias jornadas do herói.

Uma batalha é travada, é a conclusão da jornada. Finalmente descobrimos o que Obi-Wan queria dizer com “se me acertar me tornarei mais poderoso do que você é capaz de imaginar” e o motivo dele ter se sacrificado. Em um momento de tensão, Luke ouve as seguintes palavras: “Use a força Luke, deixe-a fluir…”.

Morrer permitiu que Obi-Wan passasse a adquirir novas habilidades, ele agora é onipresente, e talvez até mesmo onisciente. Através da força, ele mais uma vez orienta Luke como fez durante toda a jornada, fazendo uso do arquétipo de mentor.

Vader está no encalço de Luke em sua TIE-Fighter, e antes que pudesse atingi-lo, Han finalmente aceita o chamado à aventura em sua jornada do herói pessoal e surge na Millenium Falcon atrapalhando os planos de Vader. Luke consegue atingir o ponto fraco da Estrela da Morte usando a força, destrói a Estrela da Morte e conclui sua jornada do herói — ao menos nesse filme, mas ai já é outra história…

A Recompensa

Luke; Han e Chewie em uma cerimônia onde são premiados por seus serviços para com a Aliança Rebelde, na base de Yavin 4

Agora tudo que resta é comemorar. Depois de uma longa jornada, A JORNADA DO HERÓI, Luke finalmente cumpre sua missão, assim como todos os outros, cada um em sua jornada do herói pessoal. Eles são reconhecidos pela ajuda que prestaram, e recebem uma cerimônia de premiação por isso.

Luke saiu da vida monótona que tanto odiava nas fazendas; Han e Chewie agora são muito mais do que mercenários; a Aliança Rebelde destruiu a perigosíssima arma do Império; e o mesmo se viu sendo derrotado — por hora.

A verdadeira Jornada do Herói de Luke e companhia só começou, mas o que importa é que a jornada cíclica do Monomito se conclui perfeitamente, nesse filme que é o melhor exemplo moderno da Jornada do Herói.