Eclipse

Me apareces tímida
Olhando pelo teu olho único
Quase cerrado, quando te percebo
Traz atrás de ti as mágoas do mundo

Cresces então, graciosa
Existe em tu um mistério que me negas
Quando tento te fotografar
Nem és metade do que desejavas ser

Subitamente és luz!
Joga-te no mundo, explodes em prata
Esqueces aquela timidez de outrora
E percebe em ti a beleza única

E tão depressa quanto vem, retrocedes
Lembra-te dos mistérios que te habitam
Volta àquele ponto, simétrico ao que já foras
Querendo teu Espaço todo só pra ti

Fecha-te, finalmente
Finalizas o ciclo
Que depois tens a leveza de recomeçar

E um dia, na tua delicadeza
Protagonizas na frente do Rei
E a parte que leva tua tristeza enche-se de graça

Like what you read? Give Aquerman Kuczmenda a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.