Currículos de 15 segundos

Caso você esteja lendo este artigo e não me conheça: oi. Eu sou Yuri, trabalho na Crunchyroll, um site legalizado de streaming de animês (http://www.crunchyroll.com). Eu visto vários chapéus, e um deles envolve recrutar pessoas novas. Quando fiz o processo seletivo anterior, muita gente me perguntou o que fazer para aumentar as chances de ser escolhido, e eu prometi que ia escrever um post a respeito.

Não o fiz porque esqueci completamente. Mas agora estou iniciando um novo processo seletivo e a chama de escrever despertou em mim. Então vou passar por alguns tópicos pra tentar desenvolver a perspectiva de alguém que está do outro lado da pilha de currículos.

Eu fiz dois processos seletivos até então: um para vagas na área de localização, e o atual na área de mídias sociais. Em ambos, eu colhi currículos da mesma forma: anunciando a vaga nas nossas redes sociais. Essa abordagem tem vantagens:

  • os candidatos costumam estar mais familiarizados com sua marca e tornam-se funcionários mais comprometidos
  • é muito mais ágil que contratar uma empresa terceirizada que faça isso
  • atrai um público mais jovem, que combina mais com o perfil da CR

Mas também tem desvantagens:

  • Recebi quase mil currículos em dois dias.

Eu trabalho sozinho. Se eu postergar todas as tarefas menos urgentes do meu dia pra ler currículos, eu tenho em torno de 4 horas por dia. Ou seja, se eu levar um minuto por currículo, eu vou levar 4 dias pra ler todos os currículos. Nesse meio tempo, mais currículos vão chegar, então eu duvido que eu leve menos de uma semana pra ler todos. Perder uma semana inteira na PRIMEIRA FASE de um processo seletivo relativamente urgente não me parece uma boa estratégia.

Então eu tenho pra mim a regra dos 15 segundos. Eu leio seu currículo por 15 segundos (não se preocupe: eu leio rápido.). Se eu bater o olho em algo que me chame a atenção (portfólio, experiência, formação), eu gasto alguns minutos prestando mais atenção.

Outros processos funcionam diferente. Outros processos têm equipes de RH inteiras para fazer a contratação, e podem se dar ao luxo de demorar meses para encontrar novas pessoas. Eu faço isso porque tenho só a mim. Ainda assim, é uma boa métrica pra você fazer a autoanálise do seu currículo. O que eu vou listar aqui é uma série de dicas para você fazer um currículo de 15 segundos.

Dica número 1: mande o currículo para si mesmo

Parece meio óbvio, mas não apenas revise seu currículo. Mande o e-mail pra si mesmo antes de mandar pro avaliador.

Eu estimo que ~5% das pessoas que se candidatam a vagas na Crunchyroll esquecem de anexar o currículo. Outros 5% erram o próprio nome da empresa. 5%-10% erram o assunto que deviam colocar no e-mail para ser adequadamente filtrado na minha Inbox. 10–15% cometem algum erro de português no corpo da mensagem. Alguns não mandam e-mail há tanto tempo que eu acabo recebendo e-mail de gente chamada ‘xands2010" ou “DoUgLaS XD”

Você pode ser um bom candidato pra vaga, mas escreve como um adolescente e não anexou o portfólio? Fica complicado te mandar um e-mail, pedindo pra anexar as informações.

Lembre-se: você não precisa ter pressa de enviar, mas o avaliador tem pressa de ler.

Dica número 2: facilite a vida do avaliador (e a sua)

A dica 1 é muito importante, mas esta dica 2 é importante também.

Você tem “larga experiência em tradução”? Liste alguns dos trabalhos dos quais você mais se orgulha. Trabalha com edição de vídeo? Poste alguns links de YouTube que você ajudou a produzir. Trabalha em mídias sociais para um site ou página do Facebook? Coloque o link. Melhor ainda: faça uma colagem de três ou quatro imagens/publicações que tiveram os melhores resultados e anexe.

Se você faz isso, você automaticamente se destaca do resto.

Se você não faz isso, várias coisas podem acontecer: o avaliador pode passar batido pelo seu currículo. Se o currículo for muito bom, ele pode ir atrás de mais informações. Só que aí ele vai entrar na sua página e ver trabalhos bons e não tão bons, e ter uma opinião subótima de você. Ou pior: vai entrar na página errada, e aí sabe Deus o que pode acontecer.

Use essa oportunidade não só para divulgar seu trabalho, mas também para controlar a percepção do seu trabalho a seu favor.

Dica número 3: currículo não é feito de pedra

Não há vergonha ALGUMA — ALGUMA — em adaptar seu currículo para uma vaga. Estamos na era digital, cara; você não está entregando uma das 50 cópias que você imprimiu do seu currículo.

Se você vai se candidatar para um cargo em tecnologia, descreva a fundo o que você fez de importante. Faça uma lista das linguagens de programação que você sabe, dos frameworks com os quais você já trabalhou. Bote o link do seu GitHub. Bote links pra projetos seus.

Saber que você foi enfermeiro por um ano antes de fazer faculdade é bastante curioso, e até é um ponto interessante pra puxar conversa. Mas, se a vaga é de tecnologia, isso não devia ter o mesmo destaque no seu currículo que o seu curso de cinco anos de engenharia.

Se é um cargo de trainee, tire tudo isso (ou ao menos a maior parte). Demore-se em sua formação, cursos relevantes, etc.

Cada segundo que um avaliador perde lendo algo que não é diretamente relevante à vaga é um segundo que ele deixa de dedicar às coisas que importam. Cada link pro seu Lattes que você coloca em uma vaga de mídias sociais é um link a menos daquele seu portfólio maneiro no Behance.

O currículo não é um convite à conversa, um cartão de visitas. Ele já é parte da conversa em si. Aprimore-o.

Dica número 4: Entenda seu avaliador

Esta dica não se aplica necessariamente ao meu processo seletivo, mas se aplica a vários outros, de vários lugares, e estou tirando de minha experiência como candidato.

Já vi gente reclamar de vagas que têm exigências demais, e que nenhum humano seria capaz de saber tanta coisa. Daí depreende-se três possibilidades:

  • A empresa é gerida por um bando de loucos que quer contratar o novo John Carmack. Você provavelmente não quer trabalhar com eles.
  • A empresa sabe que ninguém é capaz de atender todas as exigências, mas listou tudo que eles podem precisar num futuro próximo ou distante e vão pegar quem for mais flexível para um mercado que está em constante mutação.
  • A empresa quer alguém que saiba um escopo bastante reduzido para trabalhar numa área específica, mas o RH não é muito bom nisso e pegou uma lista enorme de exigências que abrange tudo que a empresa faz.

Acredite ou não, eu já estive em vários processos seletivos que caem na terceira categoria, algumas vezes na segunda, e nunca na primeira.

Então não se assuste se você não cumprir TODAS as exigências da vaga. Edite seu currículo com carinho da melhor maneira possível e mande. A graça das vagas com exigências impossíveis é que elas são impossíveis de ser preenchidas.

Conclusão

O avaliador tem pouco tempo. Você tem mais que ele, especialmente se está desempregado. Use isso a seu favor, e faça com que a breve primeira impressão que ele tenha de você seja um sonoro “uau.”