Diário de Joseph — dia 05

Crônicas de um fermento selvagem.

Chegamos ao quinto dia de Joseph. Com a temperatura um pouco mais alta que fez no último dia, ele se desenvolveu bem, cresceu de novo, bastante, e tem uma textura bem aerada: sinais de que há muita atividade microbiana.

É chegada a hora de realizar o passo número 4 da criação de um fermento natural, segundo o método do Luiz Américo Camargo. É preciso dividir e descartar metade da massa, e então alimentá-la novamente.

Eu disse METADE da massa. Essa massa pela qual eu já me afeiçoei, que tem nome e até certidão de nascimento. Decidi que, em vez de simplesmente jogar essa metade fora, vou continuar cultivando até que ela possa ser doada para outra pessoa interessada em manter um fermento selvagem. E ela será chamada de Hanna.

Continuo ansiosa, sem saber se os fermentos sobreviverão. Para alimentar minhas esperanças, estou selecionando algumas receitas, de preferência muito fáceis. Já até escolhi qual será o primeiro pão que vou tentar fazer com o Joseph — uma adaptação do pão mais fácil do mundo, sem sova, cozido numa caçarola fechada. Já fiz esse pão algumas vezes, com fermento biológico seco, e o resultado é sempre surpreendente.

O pão mais fácil do mundo tem apenas uma frescura: precisa ser assado em uma panela fechada, ou num forno cheio de vapor, que pode ser improvisado com uma assadeira cheia de água, para que a textura fique perfeita — parecida com a de um pão italiano, com o miolo macio e a casca dura e crocante. Como eu não tinha caçarola, eu assava o bendito em uma frigideira de ferro fundido, com uma panela de inox servindo de tampa, bem gambiarra mesmo. Mas meus problemas acabaram! Sim, porque agora sou a feliz proprietária de uma caçarola vermelha de alumínio anti-aderente. Eu me tornei essa pessoa; a pessoa que compra panelas e utilitários domésticos no lugar de roupas e acessórios.


Joseph no dia 05, bem crescido.
Joseph no dia 05, cheio de bolhas.
Joseph no dia 05, de pertinho.
Joseph no dia 05, depois de virar uma bolota pronta para crescer novamente.

Pão mais fácil do mundo, versão integral.

Minha linda caçarola vermelha.

Instruções para alimentação do levain no dia 05 (após novo crescimento e formação intensa de inúmeras bolhas):

Separar metade da mistura. Adicionar à essa metade:

  • 0,5 de xícara de farinha de trigo integral (70g)
  • 2 colheres de sopa de água filtrada (30ml)

Misturar bem com uma colher e, depois, com as mãos, como uma sova leve. A massa vai ficar bem mais seca, e será possível modelar uma bolota. Guardar a bolota em um novo recipiente, de qualquer tamanho. Cobrir com plástico ou com a tampa do recipiente, e voltar para o lugar escuro quentinho. Esperar mais um dia (ou mais, se estiver frio), até que a atividade das leveduras e bactérias seja visível novamente.

Like what you read? Give Laura a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.