Vem, traz teu café… traz aquele chá, vermelho-sangue que você sabe que eu gosto de tomar enquanto te faço cafuné… Vem e traz tua alegria de viver, traz aqueles olhos brilhantes, que esquadrinham meu corpo e me deixam enebriado, vem e me mostra como é bom te pertencer.

Traz amor, traz carinho, traz cafunés nas noites frias, beijos nas noites quentes e paixão o ano todo. Traz tuas roupas, traz teus sapatos e deixa eles juntos com meus tenis velhos, traz aquela bermuda apertada que você insiste em usar, traz tuas cuecas e mistura nas minhas… mistura teu suor com o meu, tua salive, teu corpo e tua alma na minha. Me ensina a viver desta tua forma ousada e frenética que eu te mostro como apreciar os minúsculos detalhes de amor dos nossos dias. Traz teu companheirismo que eu te dou meu amor, traz teu travesseiro, junta com o meu… traz tua escova de dentes e coloca junto da minha.

Não foi à toa que nos encontramos, não foi por acaso que você e teu cabelo emaranhado cruzou meu caminho no parque, não foi de brincadeira que teus olhos encontraram os meus e não me deixaram desde então. Vem, traz teu coração, faz tua morada em mim e me deixa morar em ti, no teu cangote, nos teus olhos, na tua mente, alma e coração. Deixa-me perder e me encontrar em meio às curvas de teu corpo, me permita ser todo seu que eu entrego meu ser inteiramente à ti.

Em meio à multidão tumultuada do mundo, seja meu porto seguro. Em meio à loucura de nossas vidas e o caos de nossos corações seja minha morada. Mantenha-me seguro e eu prometo que te seguirei para o resto de nossas vidas, te dando todos os dias o melhor de mim.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.