Disrupção digital: há vida fora das telas?

Aryane Leite
Dec 7, 2017 · 3 min read
Photo by Kaique Rocha from Pexels

Há alguns dias assisti uma live no Instagram do @psicanaliselacaniana muito interessante sobre Disrupção Digital, com o Chico Forbes, e como a tecnologia está mudando a maneira como nos locomovemos, relacionamos e trabalhamos, afinal, tirou inúmeras “barreiras” da nossa frente.

Lembro-me da dificuldade que era confirmar um date, um “role” ou qualquer outra coisa com meus amigos. Não tinha celular com 15 anos, então o jeito era ir até o local e torcer para não levar um bolo. Hoje é muito simples, com uma conexão Wifi ou 3G consigo confirmar reuniões, chopes, descobrir acontecimentos importantes e até mesmo palestras legais que rolam por aí. Ou seja, a tecnologia facilitou o que antes era um tormento.

Atualmente podemos realizar uma reunião por Skype, trocar mensagens por WhatsApp, nos locomover pedindo um Uber, pedir comida pelo Ifood, assistir filmes pela Netflix e claro, criar polêmicas nas redes sociais sentados no sofá de casa.

Podemos ver que até o tempo caiu na “rede”, vivemos em um mundo V.U.C.A que é uma sigla em inglês, oriunda do vocabulário militar norte-americano, utilizada para descrever a volatilidade (volatility), a incerteza (uncertainty), a complexidade (complexity) e a ambiguidade (ambiguity) nos ambientes e situações. Onde nos perdemos e perdemos a noção do que é o tempo, afinal, é tudo para ontem e para agora porque o mundo está em uma muVUCA:

Volátil: as coisas mudam a cada segundo;

Incerto: o que é agora daqui a pouco não será mais o mesmo, nada é previsível;

Complexo: o mundo está se organizando em diversas redes e conexões, onde predomina a interdependência e as mudanças acontecem ao mesmo tempo;

Ambíguo: muitas informações, soluções e problemas possíveis, não existe “Isso OU Aquilo” agora é “Isso E Aquilo”.

Apesar das facilidades existentes hoje, o que faz com que aconteça a disrupção não é a tecnologia em si, mas como a utilizamos no nosso dia a dia. Talvez não possamos nos afastar 100%, mas é necessário encontrar um equilíbrio entre ela e a vida offline. Eu ia escrever mundo real na verdade, mas o mundo continua real através das telas, são as nossas vidas em off que precisam de um “desligar” por algumas horas e saber o momento certo de colocar o celular no modo avião.

Voltando ao foco do texto, a disrupção acontece quando há interrupção do curso normal de um processo, e é isso que estamos fazendo com a tecnologia, o imediatismo tomou conta do cotidiano acarretando no rompimento do tempo natural das coisas. Mas, ainda que aja os seus contras, ela automatizou processos que antes demandavam horas e horas do nosso dia e hoje conseguimos nos concentrar nas nossas habilidades humana. Ainda não existe máquina que seja criativa, por exemplo, e a criatividade está implantada em nossas veias e é necessária em todas as profissões e mercado, afinal, aquele que não consegue ser “inovador” acaba ficando para trás. Ou seja, antes de culpar e tecnologia por seu fracasso pessoal veja o que você não está fazendo para sair do lugar, há muitas habilidades humanas que são únicas e genuínas, mas nosso comodismo fala mais alto e a não conseguimos nos responsabilizar pelo nosso próprio fracasso. Para entender melhor quais são estes “talentos humanos”, assista o vídeo abaixo onde o Murilo Gun fala bastante sobre habilidades do futuro:

Por fim, percebemos que a tecnologia está automatizando e também nos auxiliando para que aja mais chances assertivas e não errantes, como por exemplo, na medicina que hoje a tecnologia se tornou crucial para dar diagnósticos com mais agilidade e assertividade. Mas, ainda que ela seja parte do nosso cotidiano, é preciso conciliar e equilibrar para que tenhamos vida fora das telas. Afinal, para que aconteça um diálogo e relacionamentos é necessário que tenham duas ou mais pessoas dialogando na mesma “tela”, a verdade é que colocamos toda a “culpa” na tecnologia de modo geral nos esquecendo que só tem uma pessoa que pode definir o que é prioridade e o que não é em cada momento.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade