Ela

Ela tem a alma de pipa avoada que segue livre pelo céu afora.

Ela, saiu de casa cedo e não espera que alguém lhe pegue pelas mãos e a conduza pelas calçadas.

Ela, tem o cabelo enrolado, mas prefere liso, não tem a pele perfeita mas um sorriso preciso. Não possui um passado bonito, mas um futuro precioso e um presente embrulhado que abre todas as manhãs.

Ela, chega a hora que quer e sai a hora que bem entende. Já saiu de uma festa em 15 minutos e também já ficou 12 horas. Troca conversas, confidencias, troca olhares, beijos e carinhos. Troca de roupa mil vezes e sai com o mesmo look que vestiu no sábado anterior. Troca a maquiagem, as cores do cabelo, o perfume e o shampoo. Troca de casa, de amigos, de cerveja. Troca o lençol, o travesseiro, a escova e o pente.

Ela, tem o cheiro doce e um gosto ardente. Dona das curvas mais perigosas e da boca desenhada. Dona dos sonhos loucos e dos pesadelos tontos.

Ela, quer viajar e conhecer o mundo com a inocência de uma criança e a maturidade de uma mulher. Afinal, ela é esse misto de sabores e aromas, ora a inocente e ora a guerreira que enfrenta os monstros de peito aberto, mas que no fim da noite quer alguém que a abrace e ofereça o peito.

Ela, já teve o coração em pedaços e a alma em lágrimas. Quer o amor mas tem medo de amar, quer entregar seu coração, mas o protege feito uma leoa.

Ela, é essa mistura de bem me quer e mal me quer. Seu humor muda mais que o tempo e sua ansiedade toma conta do amanhã que anseia.

Ela, é aquele livro sem ponto final que termina em reticências, suas vírgulas estão em cada pausa que respira e a capa é a mais bonita que está exposta. Sua história é um misto de aventura, alegrias e tristezas com vários finais. Ela não é a mocinha e nem mesmo a vilã. Ela é apenas “Ela”.