Inspira. Respira. Não pira.

23:05 do dia 18/05, estou sentada em frente ao meu notebook sem saber o que escrever em meu artigo do TCC, a ansiedade e o medo me consomem. O medo de não conseguir cumprir o prazo determinado e a ansiedade de acabar tudo isso logo.

É horrível se sentir incapaz e sentir que todos os seus sonhos estão escorrendo por suas mãos, você tenta segura-los, mas eles temem em escapar e ali está você, olhando para o nada e se perguntando como que foi parar ali e como que a situação chegou a tal ponto.

Respira. Não pira.

Essa frase se repete em minha mente a cada segundo como um mantra para eu não sucumbir ao fracasso e a derrota. Eu que fora tão forte e tão resistente, estou aqui a ponto de desistir e me pergunto: como isso foi acontecer comigo?

É meus caros, todos estamos fadados a ter nosso momento de fraqueza e este está sendo o meu, uso este site hoje para um desabafo e libertação. Acredito que nossos pensamentos precisam sair de algum jeito para não sucumbirmos a loucura e virarmos fantoches de nossa própria mente.

Tenha calma, o céu fica azul depois da tempestade.

Mais um mantra, este eu escrevi em um bilhete e o deixei amostra para olha-lo a todo momento. Mas penso: e se o céu ficar cinza? E se for uma daquelas tempestades que não param? E se…? São tantos questionamentos na minha cabeça e nenhuma pergunta tem uma resposta direta. Onde está o manual de instruções? A saída de emergência? Em caso de incêndio o que devo fazer?

Silêncio.

Nenhuma resposta, as perguntas continuam e você se sente em um lugar escuro, um beco sem saída. Tateio as paredes em busca do interruptor, deviam pinta-los com uma tinha fluorescente, mas claro que não iriam facilitar a busca. Continuo a me esgueirar pelas paredes frias em busca da luz.

Achei.

Mas é uma sala vazia, sem respostas.

Ao centro tem uma mesa e uma cadeira, em sua superfície encontra-se uma computador ligado com o Word aberto escrito em seu documento:

Inspira, respira e não pira, o mundo gira louco, mas no final, vai ficar tudo bem.

Continua…

Like what you read? Give Aryane Leite a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.