Me tornei você

Tudo o que eu lembro daquele dia é do meu olhar te seguindo cruzando a entrada daquela festa. Minhas memórias visuais de você acabam aí, nessa festa, mas eu tenho a impressão que te vejo todo dia. Eu te vejo na rua da minha avó, no cinema do shopping, no bar mais cool da cidade. Te vejo no carro estacionado do outro lado da rua, nos textos do tumblr, no sonho da noite passada. No rascunho da mensagem, no banheiro da balada, em cada pensamento perdido. Te vejo na rodoviária voltando pra casa, no lado esquerdo da cama e no livro que eu terminei de ler hoje. Porque eu me tornei você. Eu sou você em cada porre que eu tomo, sou você em cada mão que eu hesito em segurar, eu sou você em cada cama que eu abandono no meio da madrugada. Eu sou você quando não me permito chorar, quando sou egoísta, quando uso o outro em benefício próprio e quando me deixo ser usada. Eu sou você em cada gozo, em cada indecisão, em toda tentativa de fuga da realidade. Eu sou você em cada relação destrutiva.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.