O cenário atual da música brasileira enche o saco
Rodrigo Teixeira
11026

Concordo em muito do que disseste, mas creio que faltou uma vertente: o Rap. Muito embora o Rap não tenha grande diferença no que tange aos movimentos culturais e apropriação de valores em relação às coisas que citaste, digo de peito aberto que alguns dos artistas são sim diferenciados.

Mantendo a visão trágica que lhe é natural, o Rap consegue transformar a angústia, mesmo que de uma gama pequena de pessoas, em algo que se pode considerar música.

Da mesma forma, em músicas cujo intuito é apenas “curtição”, alguns artistas alcançam seus objetivos com maestria. Basta acompanhar artistas como RAPadura, Um Barril de Rap e afins (me atendo aos brasileiros) que terás uma conclusão parecida com a minha.

Mesmo assim, é triste observar que grande parte dos cantores se deixam levar por essa massa monótona de mesmice aguda que assola o âmbito criativo do nosso país. A música não é paixão, mas sim uma busca interminável por dois dias de fama e muitas vendas de disco.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Arthur Cuesta’s story.