Teatro de ilusões

Foto: Brunno Covello / Gazeta do Povo

Pessoas preferem se iludir com mentiras e enrolações. No entanto, semper na hora do vamos ver elas dizem "por que não falou desde o início?" ou "por que não disse a verdade?". Só que, vejam só, elas não suportam a verdade.

Não é curioso algo assim? Elas clamam pela verdade, mas não conseguem lidar com ela. Quem diria? Por mais sutil tal honestidade venha à tona, se frustram por algo pega-las tão em cheio. Ficam desnorteadas desejando uma ilusão eterna.

Adivinhem só! A ilusão sempre termina, de uma forma ou de outra. Não é possível alguém sustentar algo a vida inteira. Caso ocorra, essa pessoa será vazia, infeliz. Além da própria sensação de "me falta algo" ainda fará com que pessoas ao seu redor vivam algo negativo também.

Ontem conversando com uma colega de trabalho sobre relacionamentos tal tema surgira. Segundo ela, sou estranho por na minha idade preferir ser e exigir honestidade à enrolação. Suas palavras são "você é bem durão nesse sentido, né? Você é estranho ".

Eu ri, pois sabia exatamente do que ela falava. Perguntei prontamente:

-Você prefere ficar na ilusão dele gostar de você? Que ele quer namorar e quem sabe um dia casar?

-Ah, eu prefiro - disse ela.

-Sabe que se nada for como você imagina, além de ignorar os fatos como sinais nítidos que e tudo mais, a dor será muito maior, né? - alertei.

-Fazer o que? Acontece ... - responde ela com um ar de pesar.

Aquela situação me remeteu a outros momentos presenciados ao longo da minha existência nesse planeta. Preferimos coisas místicas, achismos, ideal a nossa realidade ao provável, fatual e verdadeiro.

Chamo de fé? Crença? Temor ao real?

Temos medo da verdade que vá contra os nossos desejos. Não importa muito como ela será dita. Sendo negativa a suas expectativas, ela é dura / cruel. Nos apegamos a algo construído por nossos anseios e deixamos o jogo do lado.

Quando cortinas se fecham a encenação terminam. O estranho é que nos apoiamos no passado e olhamos para o futuro, mas negamos presenciar o presente. É Irônico. Bastante irônico ...

Like what you read? Give Arthur Renan a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.