Além da discussão existe política

“El Alma Nunca Piensa Sin Imagen” — JACOBY

Alguns livros de história tratarão o dia de hoje (31/08) como golpe, outros como outra coisa qualquer, mas é importante entender o papel do PMDB além de Cunha e Temer; assim como a relação desajeitada com o PSDB de Aécio e o caso com o PT.

Historicamente o PMDB é o partido que tem maior bancada em todos os âmbitos, maior número de prefeitos e uma política de base organizada que vem desde os vereadores até o senado (e agora presidente), possuindo não só uma grande capilaridade, mas penetração por todo o país. Mesmo assim tal partido nunca elegeu um presidente, mas conseguiu 3, reflexo desses atributos.

Temer terá grandes dificuldades para governar por erros próprios e anteriores, se possuísse respeito a democracia, teria rompido com Dilma para lançar candidatura própria, mas não garantiria o sustentáculo em que ele e o partido está acostumado. Foi preferível conseguir a cadeira da presidência á vista e deixar a conta para o povo pagar a prazo, mas com entrada e juros altíssimos.

Agora fica um desalinhamento complicado em relação o próprio PMDB de Renan que salvaguardou os direitos políticos de Dilma, em relação ao PSDB de 3 presidenciáveis em 2018 (Aécio, Alckmin e Serra) e um possível acordo (talvez de cavalheiros em respeito a Dilma) com o próprio PT.

Fundamentar toda essa discussão é refletir sobre as relações de poder em torno de 3 partidos: PT, PSDB e PMDB. As últimas 8 eleições para presidente foram divididas entre PT e PSDB; o PMDB sendo negociado por ambos como base de apoio. Anterior a criação do PT e PSDB, FHC e Lula por várias vezes cogitaram o parlamentarismo no Brasil onde os dois cogitavam vir a ser representantes, “más” línguas afirmam que isso só não aconteceu por vaidade de ambos, que terminou influenciando na criação do PT e PSDB.

A consumação de 3 grandes forças e as consequências de suas batalhas continuam, muito será influenciada pelas ruas e se esse governo terá ou não governabilidade mínima. O PT agora perder força política, mas PMDB e PSDB podem vir a perder também. Talvez apareça um outro partido em acensão no pleito desse ano e através de apoio ou não ao governo consiga deixar isso tudo mais imprevisível do que cego em tiroteio de óculos escuro. Para tal basta observar como foi a votação onde PDT em suma votou a favor do impedimento. O nó é enorme vamos vem quem desata, a democracia levou um tiro hoje, agora é torcer para que a sangria estanque o quanto antes.