De baixo dos caracóis

Totalmente escrito com dor no cox, sentado numa cadeira de metal da Skol.

— Quem é você? Que abuso é esse de entrar de penetra na minha festa

— Senhor me desculpe, me chamo Menelau da Torre… Vim lhe trazer notícias!

— Notícias? Não estou esperando nada, dê o fora daqui…

— Senhor, não me obrigue a ficar à força. Tenho que lhe contar…

— CONTA O QUE?

— Uma coisa..

— E PORQUE NÃO FALA?!

— Capaz do senhor não gostar…

— Só depois de contar essa tal coisa que poderei saber! Vamos, homem! Desembucha!

— É uma longa história. Lembra que você perdeu seus documentos no Butatam quando foi picado por um lagarto-lua?

— Não.

— Claro, o efeito do veneno te deixou com amnésia permanente…

— Me deixaram com o que?

— Flam blam trutuinha…

— O QUE? Não entendi!

— Vejam, senhores! Esse homem não consegue mais compreender as palavras!

— Você falou enrolado!

— Senhores! Pois vejam, ele está me ameaçando a vida por ter a cura definitiva do joanete!

— Mas não lhe ameacei em nada! Está maluco?

— Senhor, por gentileza, não me obrigue a falar baixinho! Isso poderia acabar com sua celebração…

— Acabar em que nível?

— Catásstrofe meteórica… Coisa de filme.

— Nossa, você é o que? Um reacionário da vida?

— Apenas lhe direi uma palavra: Cascão.

— CASCÃO? É um maldito hippie sujo?

— Lhe direi duas palavras: não sou.

— E o que raios é "cascão"?

— É uma superfície dura. Sá que bem grande… o senhor jamais compreenderia…

— E o que isso tem haver comigo?

— Já disse coisa demais. Vamos ao que interessa… O senhor está de sapatos?

— Estou de tênis.

— Camurça?

— Couro…

— Tem certeza?

— Talvez courino…

— Pode me dizer a cor de suas meias sem olhar para baixo?

— Claro! São brancas…

— Bem brancas ou com detalhes?

— Ornamentada com crochê de linha de couro de alce.

— Passou no teste. Parabéns.

— E a minha notícia importante?

— Você nasceu vestido de salame.

— Como é?! vestido de salame?

— Perfeitamente, senhor… No ventre de sua mãe, tu eras salame. Carne roliça. Quando aos 3 anos aprendeu a arte de fazer vasos de barro, a Evolução lhe deu mãos. Quando as 12 foi convocado pela Legião Estrangeira para ser gandula do time de vársea em Johnesburgo, a Evolução lhe agraciou com pés. Mas pernas só lhe foram presente 20 minutos depois quando alertou á Evolução exclamando “Porra! Assim não fecho a geladeira de longe!”. É um milagre você estar aqui hoje comemorando a chegada da sua restituição do imposto de renda…

— Você me emocionou… — falou choramingante

— Não chore, caralho…

— Choro sim… É minha história! Minha vida sofrida! Meio sóculo para descobrir meu passado…

— Ora, controle as lágrimas, porra…

— Não consigo! Estou muito tocado… — e descia uma rajada d'água

— Ora, homem! Pare de ser banana…

— Conte mais!

— Não sei de mais nada, ué! Era só isso mesmo…

— Duvido! Você é um anjo pra mim…

— Anjo de cu é rôla! Só vim aqui te contar essa palhaçada e agora estou é de olho nesses salgadinhos!

— Coma tudo! Por favor! A festa é sua também! — disse ele agradecido

— Ah tá… me engana que eu gosto! Se fosse minha teria olho de sogra e caldo verde…

— Temos caldo verde, mas não combina muito com a decoração…

— Senhor, se essa festa fosse minha, faria o que eu quisesse! Palhaço, mágico, olho de sogra, quindão, frutas brilhosas no bolo branco… Ia tocar o terror!

— Pode crê…

— Eu creio…

— Eu não…

— Mas eu sim!

— E eu não…

— Porque não?

— Porque… porque… Olha, que tal me deixar em paz?

— Tem razão… Seu pedido é uma ordem.

O penetra puxa de trás da vasta cabeleira grisalha um ziper e se abre deixando sair de dentro de si 3 anões vestidos de porcos ensaboados. O tom da festa muda e inicia-se uma animada competição para pegar os pequenos mamíferos na qual o prêmio final seria um moedor de frutas ou um cachecol de ouro.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.