Se marinheira eu fosse,
dormiria de conchinha,
fazendo cobertor com ondas,
pra que o tempo,
capela do infinito,
fosse mais doce.

Arderia como o sal,
que alimenta
as estrelas dos mares,
pra curar a dívida
dos azuis mais nítidos
que foge dos olhares.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Aryanne Audrey’s story.