Porque os meus sonhos são maiores do que o que vocês veem, e a minha realidade é esse intervalo entre os anestésicos.
Porque o que se vê em mim é mais do que posso, e o que posso é bem menos do que sou.
Deem-me o benefício da paz de não haver tantas especulações sobre minha conduta.
Deem-me a paz de extrair dessa dor a sensibilidade de alguns versos, e anestesiar meus anseios numa canção leve.

Like what you read? Give Elizabeth R. Auer a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.