“Tá tudo bem, mas tá meio estanho”

Parque Germânia, Porto Alegre/RS (foto autoral)

18h31.

Chegando o final de mais um expediente na empresa, e é véspera de feriado. Ou seja, cenário ideal para a felicidade momentânea, se não fosse por um motivo: a falta de vontade de qualquer coisa que não seja ir para casa e dormir.

Poderia ser somente eu a estar assim, meio deprimida, meio desmotivada, inerte, mas não.

Façamos um rápido experimento social: abra seu facebook e role a linha do tempo por cerca de 10 minutos e conte quantos textos, compartilhamentos ou frases de auto ajuda creditadas a autores errôneos você encontrou falando sobre a quase total falta de vontade à vida?

Ontem mesmo, um amigo me contou que teve, pela primeira vez, uma crise de ansiedade enquanto estava numa entrevista de emprego. Ele, simplesmente, travou, tremeu, não conseguiu mais falar. Curiosamente, esse amigo nunca acreditou que coisas do tipo pudessem acontecer.

Estaríamos todos num momento “meio mal”?

Por que?

Há alguns dias, apareceu uma página chamada “memes para adolescentes depressivos”. Eu queria saber como adolescentes depressivos conseguem apreciar memes. Na minha última crise, eu mal conseguia levantar da cama e cumprir com os meus compromissos, quanto mais curtir memes.

Chego à conclusão de que, graças as redes sociais, conseguimos banalizar até mesmo doenças mentais sérias.

Mas voltando ao feriado, é engraçado esse contentamento pelo dia de folga. “Graças a deus pelo feriado, pela sexta-feira, por minhas férias.” Talvez, tenha virado algo quase impossível ser feliz nos demais dias.

Nós conseguimos transformar o trabalho em um tipo castigo e ainda temos coragem de banalizar nossa saúde mental.

E, além disso, banalizamos o sentir do outro. “Você é muito nova, ainda não viveu nada, não tem motivo para estar triste, é falta de um namorado, precisa sair mais, vamos tomar um porre.”

Quando foi que deixamos de nos importar? Ou nós nunca nos importamos?

Não sei. Acabei pensando sobre coisas demais ao mesmo tempo.

Talvez eu esteja muito cansada, apenas.

Preciso dormir neste feriado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.