Mergulho

Mergulhado no mar até a cabeça
Com os olhos na altura dos peixes
Onda vai, onda vem
E o silêncio é ensurdecedor

Solto o oxigênio devagarinho
Vejo cardumes passando sem graça
Corpo vai, corpo vem
Ouço o barulho da chuva batendo lá em cima

Gosto da plenitude do mergulho
Os animais me observam com estranheza
Peixe vai, peixe vem
Sou um estranho ou estou diferente?

Afundo aos poucos olhando pra cima
Não tenho mais cauda
Superfície vai, fundo vem
Tenho chumbo nos pés

Sinto que já estive ali outras vezes
Mas nunca tão fundo
A respiração vai, o engasgo vem
Acomodo no fundo de pés acorrentados

Me desespero e me abato
Me abato e me desepero
Desepero vai, apatia vem
Sem saber se sou âncora ou se sou sereia

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.