Dia de Visita

Acordei com uma lambida quente na bochecha e abri os olhos assustado sem entender nada. Fiquei pensando numa fração de segundos, como alguém que foi dormir sozinho na noite passada pode acordar com uma lambida, quente, úmida e visquenta na bochecha às 5:42 da manhã?? Sem pensar muito sentei na cama, a cara ainda amassada e tentando entender se aquilo tudo era sonho ou realidade, ou algum tipo de flashback de alguma droga ingerida sem nenhum pudor nos últimos meses. Mas era verdade ou pior, realidade!

Ele tava ali, sentado na outra ponta da cama. Demorou alguns segundos pra eu poder reconhecer, e a visão se acostumar, ele estava diferente dessa vez, com um jeito desconfiado, meio encolhido, até posso dizer que amedrontado. Por um instante novamente fechei os olhos com força e repeti mentalmente “não é verdade, é só um sonho, vou acordar agora”. Abri os olhos e ele ainda estava lá, parecia que queria tocar em mim. Me lamber novamente???? Que ousadia!!

Aos poucos fui aceitando a realidade. Fiquei me perguntando “como ele pode ter se soltado?? Quem abriu aquela caixa de madeira, com todas aquelas correntes e cadeados, que enterrei no lugar mais distante e no buraco mais fundo onde já cheguei, como?? Quem deu permissão de você sair de lá?? E pq logo agora que tá tudo indo tão bem ou pelo menos estava, você me aparece do NADA!” Ele não respondia, só me olhava com um olhar carente, como se estivesse pedindo carinho, que eu o passasse a mão na cabeça dele e o deixasse me abraçar.

Levantei da cama e fui para o banheiro, e ele me acompanhou. Abri a porta da sala, na esperança que ele saísse, percebesse que estava na casa errada ou até voltasse de onde nunca deveria ter saído. Fui para cozinha preparar um café e lá estava ele novamente, dessa vez sentou na mesa em vez de ficar bagunçando pela casa toda, e jogando tudo pro alto e brincando de esconde-esconde. Imóvel, atento e persistente. Coloquei duas xícaras, pelo que lembro bem ele adora um café fresquinho tanto quanto cerveja bem gelada e drinks refrescantes. Então começamos a conversar.

Dei a chance dele explicar o pq da visita sem aviso prévio. Ele então começou a chorar, e a falar q não entendia pq deixei ele preso, enterrado e escondido, pq não queria mais saber dele já que fomos parceiros por tanto tempo. E mesmo sabendo que ele tinha causado alguns transtornos na minha vida, esse desprezo todo não era saudável, não era o que “pessoas inteligentes” costumavam fazer. Ele continuou dizendo que estava com saudade da minha companhia, do meu perfume, de ficar comigo nas madrugadas em claro e de me dar os piores conselhos que alguém pode dar, de ir dormir cmg e brincar com meus sonhos e de me acordar lambendo minhas bochechas, de fazer cócegas e até de me fazer chorar. Ele só queria mais uma chance.

Então foi minha vez de falar, dei um gole no café mais amargo do planeta, a final depois disso tudo q aconteceu, era desse jeito que tomava os meus cafés, amargos e quentes. E falei que — nossas últimas tentativas juntos não deram certo, que eram muitas brigas e que eu me deixava levar de mais da conta nas ideias infundadas que ele criava, que me metia nos becos mais escuros, nas ruas mais lamacentas, e nos vícios mais perigosos. Que eu costumava andar cego, surdo e mudo, que me fechava naquele mundo perfeito que ele criava e fica entorpecido, que apesar de uma felicidade momentânea, era no travesseiro que eu descontava minhas angústias, e que ninguém entendia minha dor. Por isso fiz o que fiz com ele, tranquei, amarrei, acorrentei na esperança que ele se acalmasse, se controlasse. Cavei, cavei mais ainda, cavei mais fundo, cavei por dias a fios, com uma dor profunda e quando achei que estava no mais fundo dos poços já existente enterrei ele, assim sem pensar em mais nada, só queria por um fim naquilo tudo. E pra sair do poço, fui enchendo com o que restava de bom em mim. Demorou mas consegui. E de repente você me aparece??? Assim sem avisar?? Lambendo minha bochecha, querendo carinho e atenção??

Então ele se levantou, e foi em direção a porta e foi dizendo : “A gnt nunca sabe quando está pronto, ou preparado, sempre falta alguma coisa aqui e ali. Já pedi desculpas por ter feito você sofrer, mas quem tinha garantias?? Nesse jogo,uns ganham e outros perdem mas todos tiveram que arriscar, todos tiveram que apostar. Se não fosse por mim, quem te daria a risada mais gostosa? o carinho mais marcante? A comida mais saborosa? As lembranças felizes de todos os momentos únicos e especiais? O frio na barriga? O calor do sangue pulsando nas veias? Quem mais poderia te oferecer isso??? Pelo visto você não aprendeu nada e continua mesquinho, então vou embora, se você prefere nutrir todos esses medos, não há lugar pra mim na sua casa, na sua vida nem no seu coração. Vim aqui só pra te lembrar que eu existo. Adeus.

Gritei antes que ele pudesse descer as escadas, e me arrumando nas pressas, colocando os sapatos bem rápido, aquela blusa que mais gosto, e o perfume que ele adorava. Gritei: AMOR, me espera!! E foi assim que encontrei o AMOR novamente, e saímos de mãos dadas pelas ruas dessa cidade quente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.