“As pessoas dão aquilo que possuem”

Minha tia sempre me fala isso. São todas as vezes que procuro afeto do meu pai distante, ou busco pelo acalento da minha mãe ou de alguém novo. Vivo a procura de amor em lugares que nao possuem tanto assim. Até se eu olhar para mim mesma, apenas um pouquinho, me falta amor. Pois de todas as vezes que sofri pelas brincadeiras com a minha aparência, pelos amigos que estavam apenas por interesse ou quando tive o coração partido, o resto de amor que eu tinha pela vida, foi se esvaindo. Me apego a pequenas coisas e momentos. Procuro amor em lugares ainda não descobertos, me apego a amores passageiros e bichos de estimação. É como tentar tampar um buraco na beira da praia. Sempre cai mais água.

Amar a si, é tarefa árdua. Talvez seja impossível achar amor aonde nao tem. E duvido muito que exista algo mais importante do que se amar em primeiro lugar. Parece tentador, voraz, maravilhoso. Me pego pensando como seria se amar o suficiente para saber sair de certas situações, onde procurar por amor, deveria ser a ultima coisa a ser feita. Não deveria ser doloroso a esse ponto, dar a Adeus a mais uma pessoa que não escolheu permanecer. Pois eu continuarei aqui, procurando mais lugares para amar e mais bichos para fazer carinho.

As pessoas só podem dar o que tem.

Será que tenho amor?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.