Margaret Thatcher
Ieda Marcondes
174

Sorry for writing in English (or something that sounds fairly like it) but it’s inevitable (for “All the things you love / All the things that you loathe”) (I miss you mentioning Moz although Moz hates Thatcher). Back to black… Parece-me que depois de Frankl, Olaf y Lewis, e nada disso lhe (ou quem quer que seja) contentar, não há aquele sentimento de que “deve existir algo que ainda não conheço e realmente me inunde (e permaneça)”? Ou simplesmente de não querer ser rotulado de nadica de nada? Ou ainda, como prognosticou Vinicius “quem de dentro de si não sai, vai morrer sem amar ninguém”? Vlw flw²

Like what you read? Give André Xavier Costa a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.